Atrair adeptos é algo que precisa ser feito para as religiões começarem a crescer, mostrar força e ao mesmo tempo dar um pouco de conforto aos que nela já estão. É nessa hora que precisa ser pensado o que será oferecido para as pessoas para mostrarem a elas que ali se sentirão bem. O foco nesse momento é de mostrar esperança, dizer que se seguirem aquele caminho encontrarão a salvação, e como consequência, a vida eterna: saúde, paz, alimento próspero, felicidade e contato direto com o criador do universo. Quem não gostaria de possuir plenamente essas coisas? Pois então, essa é a promessa da maioria das religiões. Dependendo da #Religião, até oferecer contato com entes queridos que já morreram é feito, e atrai muita gente interessada.

Publicidade
Publicidade

Após todo o processo de tentar mostrar que ali é a religião verdadeira, a que te leva mais perto do criador e, consequentemente, te traz os benefícios que ele promete no livro sagrado (dependendo da religião ele pode ser diferente. No Brasil, a maioria se baseia na Bíblia), o que fazer para que uma pessoa não saia da #Igreja depois que ela já entrou? É um processo mais difícil, visto que agora todas as promessas precisam ser percebidas na vida cotidiana daquele novo fiel. Caso algo falhe, é preciso convence-lo de que ainda sim colherá o resultado esperado no futuro. Cada religião tem o seu modo de tentar mostrar que, saindo dali, a sua vida sofrerá. Alguns delas utilizam o método de isolamento, onde encaram aqueles que não fazem parte da religião como "mundanos", sujos.

Publicidade

A tática do medo é a mais utilizada. Se dentro da religião o membro colherá o paraíso terrestre (ou dependendo da igreja, celestial), caso saia ele é ensinado que colherá uma vida muito ruim agora e no futuro. Agora: dentro da igreja são passadas instruções de como livrar-se das drogas, ter bom senso no trato com os outros, e principalmente, ensina-se que há uma blindagem contra as ações do "inimigo". Quem está blindado pela palavra de Deus, sairá para quê? No futuro: se está tendo uma vida com menos confusões por causa do bloqueio de consumo de álcool, caso caia numa tentação futuramente e se envolva numa briga sob efeito da droga lícita, provavelmente algum parente ou até mesmo pessoas da igreja logo apontarão que se estivesse dentro dela isso não aconteceria.

Pais tentarem impor os ensinamentos bíblicos nos seus filhos durante a adolescência para que eles não se envolvam com más amizades é comum. Caso ele se esquive e cometa um crime ou se envolva com drogas, logo aquele pai ou mãe se arrepende de não ter colocado o filho logo no "caminho certo": o ensinado pela Bíblia, o único "caminho da vida".

Publicidade

As religiões evangélicas são mais duras quanto à saída de algum membro. As Testemunhas de Jeová, por exemplo, presentes em centenas de países com quase 8 milhões de seguidores (no Brasil são quase 800 mil), praticam o que chamam de "desassociação", seja com quem não segue as normas da religião, que julgam ser baseadas na Bíblia, seja com quem simplesmente não deseja mais fazer parte dela. Assim como a maioria dos evangélicos, eles também se encaram como superiores e donos da única e absoluta verdade sobre Deus e seu filho, Jesus Cristo. Todo aquele que se envolve com descrentes (os que não fazem parte da religião), são exortados a terem o máximo cuidado, quer no trabalho, quer na escola. Além disso, ela é uma das poucas religiões que proíbe completamente a comunicação de membros que decidiram sair da congregação (ou infringiram regras dela) com os que ainda estão dentro dela. Isso significa que se um filho decide não fazer mais parte da religião, automaticamente deixa de falar com os seus pais, irmãos, tios e amigos, caso elas também sejam da religião. Todo o contato só é restaurado caso aquela pessoa que decidiu sair retorne a praticar os ensinamentos das Testemunhas de Jeová. A revista A Sentinela, a mais distribuída do mundo, diz que "somente assuntos essenciais podem ser permitidos" entre alguém da religião, e alguém que já foi dela.

Trazer alguém para uma religião é um papel difícil para os seus líderes, porém, ao passo que o amor daquele fiel esfria, tentar mante-lo a todo custo acreditando naquilo que vem escutando há anos é ainda mais complicado. No entanto, métodos é o que não faltam! Seria esse um tipo de ditadura ou monopólio do pensamento?