Qual é o primeiro local que um turista, ao chegar em uma cidade que desconhece, deseja conhecer? Normalmente é justamente o local onde tudo começou, não é? Pois é, o que é regra nas grandes capitais do mundo, em São Paulo, infelizmente, já há algum tempo virou exceção. Basta ver o estado de total abandono que se encontra os principais locais do centro histórico da cidade de São Paulo. Partindo do Páteo do Colégio, onde foi fundada a cidade, circulando pela Praça da Sé, Largo São Bento, Rua Libero Badaró, Viadutos do Chá e Santa Efigênia, Avenida São João, Largo do Payssandu, Praça Júlio Mesquita, o que mais se vê é muita pichação, moradores de rua, viciados em drogas, e o que é pior, com a Prefeitura sediada bem próximo de tudo isso.

Publicidade
Publicidade

Basta lembrar que a Prefeitura do Estado de São Paulo, desde 2004, portanto, há dez anos, funciona no antigo prédio Matarazzo, bem do lado do Viaduto do Chá.

O fato é que diversos fatores explicam essa decadência da região central da cidade de São Paulo. Muitos dizem que a decadência começou já nos anos 1960, mas eu já discordo. Me recordo que nos anos 1970 e 1980, apesar de já existirem alguns shoppings, na zona sul, havia uma vida cultural e comercial muito intensa no centro, seja nos diversos cinemas que lá haviam, seja nos grandes magazines. Para mim, por mais paradoxal que pareça, o centro começou a perder sua força quando foram construídos diversos calçadões, como nas ruas São Bento e Direita, e Barão de Itapetininga e 24 de maio, por exemplo. Por quê? Porque dificultava o estacionamento de veículos, seja para levar mercadorias ou mesmo a falta de estacionamentos para clientes.

Publicidade

Esse fato, fez com que os proprietários de lojas migrassem para shoppings onde tinha tudo isso, mesmo porque os calçadões facilitaram a circulação de moradores de rua, e daí aumentou consideravelmente o número de assaltos.

Um outro exemplo chocante é o Vale do Anhangabaú, que depois de ter se transformado em um imenso boulevard, ficou um lugar inóspito e muito perigoso de circular. Esses fatores fizeram com que muitas empresas optassem em sair do centro para outros locais da cidade, de forma que, com o passar dos anos, São Paulo passasse a ter diversos centros: centro financeiro que era na rua Boa Vista, décadas depois passou para a Avenida Paulista e agora, está na Luis Carlos Berrini, na zona sul, enfim, onde tudo se concentrava, onde tudo se encontrava, que era o antigo centro, deixou de existir e isso, afeta sobremaneira a identidade de uma cidade.

O fato é que aos poucos, os cinemas foram fechando e com eles a vida cultural, que era o pouco que restava, deixou de existir e também o número de moradores também foi migrando para outros lugares. O que se vê é que essas pessoas ocupam os prédios e vão destruindo-os, um a um e a prefeitura não investe no básico, ou seja, limpeza, e restauração. Diante disso, quanto que a cidade deixa de ganhar em termos de turismo diante dessa calamidade? Até quando durará essa agonia?