Diante de frequentes ataques às UPPs do Complexo do Alemão contra policiais militares, a cúpula da polícia militar decidiu trocar o comando de 16 das 38 unidades de polícia pacificadora do Rio de Janeiro. São trocas de comando, onde Major, Tenente, Capitão, serão apenas remanejados para outras unidades de polícia pacificadoras. Conforme a coordenação da polícia pacificadora (CPP), essas alterações são devido a substituição do coordenador da unidade.

Nos últimos tempos têm havido muitas mortes, tanto de policiais, quanto de traficantes e civis. A população, na sua maioria, culpa os policiais por truculência e até mortes de inocentes nessas comunidades, por outro lado, o comando da polícia militar justifica as mortes, com confrontos entre polícia e traficantes.

Publicidade
Publicidade

Cerca de 152 policiais foram mortos nos últimos dois anos, sedes das unidades de polícia pacificadoras são atacadas constantemente... Onde fica a pacificação nessa ordem? Sem contar com a atuação de milícias, comandadas por policiais e ex-policiais, nessas comunidades, que em teoria seriam "pacificadas". Essas milícias exploram toda e qualquer atividade que lhes tragam lucros, desde transportes alternativos, como mototáxi e vans, TV a cabo e internet clandestinas, vendas de gás a preços exorbitantes, taxas para se manterem seguros deles mesmos (milicianos), dentre outras .

Não concordando com suas leis, os moradores são submetidos à tortura, extorsão, expulsão das suas casas e a assassinatos.

Fica a esperança que com essa mudança, haverá mais paz para essas comunidades e se consiga distinguir bandidos de policiais.

Publicidade

Há muito perigo para ambos os lados, tanto para policiais, quanto para moradores. Policiais que arriscam suas vidas em vielas controladas por traficantes, que nasceram e se criaram ali e conhecem muito bem todas as saídas, e moradores que por circunstâncias do destino têm que morar nesses locais .

É a esperança de todos que com esse novo comando as coisas possam melhorar e que nossos governantes deem condições dignas de trabalhos para esses policiais, pois são vidas que têm outras vidas que dependem deles. #Opinião