Manter-se indiferente aos problemas alheios parece a princípio a forma ideal para se adequar a essa Sociedade. Nunca queremos nos envolver e solucionar problemas que não sejam relacionados a nós. Esperamos nos livrar daquilo que consideramos inútil ou que não influenciará nos nossos interesses pessoais.

Os sentimentos de liberdade e comodismo refletem-se em nossa consciência de um modo positivo, nos proporcionando satisfação e felicidade. O que poderia ser resolvido imediatamente, acaba sendo adiado e, consequentemente, formam-se novas barreiras a serem atravessadas, estabelecendo um incômodo geral. Se pudéssemos, acharíamos uma saída para a insensatez do "poder", que muitas vezes acaba com vidas de inocentes, hostiliza e escraviza uma maioria que depende das ações e do pensamento de mentes alienadas e egoístas.

Publicidade
Publicidade

No mundo inteiro, as pessoas que compõem as mais diversas sociedades, se encontram reféns dos mais variados interesses de governos, seja nos aspectos políticos, econômicos e/ou religiosos, dissipando assim várias gerações, dos princípios e valores, prejudicando sua honra, que se encontrava pautada no sentimento maior, o amor.

Com o surgimento de muitas dificuldades ao longo de nossa existência, ignoramos aquilo que nos desinteressa e focamos naquilo que nos causará desenvolvimento em nossa vida. Atrever-se faz-se necessário: Olhar para o lado, observar os companheiros de trabalho, da faculdade; admirar as estrelas do céu como se não fôssemos mais vê-las, oferecer ajuda a quem precisa da gente.

Dizermos " Bom dia" aos nossos familiares e vizinhos, concretizarmos novas amizades a cada dia, escutarmos a #Opinião das pessoas antes de qualquer julgamento ou decisão.

Publicidade

Não levarmos tão a sério as dificuldades do mundo, mas compartilharmos nossos pequenos ou grandes problemas com quem nos ama e deixar que essas pessoas compartilhem os delas com a gente.

Portanto, precisamos adquirir preocupações com o próximo, dar importância às pequenas coisas da vida que podem parecer insignificantes, mas que demonstram enormes diferenças desapercebidas pela sociedade.