Basta uma passada por blogs de noticiários de Cuba para se ter uma ideia de como foi recebida pelo povo cubano a notícia da reaproximação do país com os Estados Unidos.

O anúncio feito simultaneamente pelos dois chefes de estado certamente trouxe as mais variadas reações. Alguns dos chefes de estados de vários países já se manifestaram e foram unânimes em afirmar que foi uma atitude acertada de Barack Obama.

Cá entre nós - independentemente de termos gostado ou não e das razões do presidente americano, não é admirável quando um representante político toma uma atitude assim, que representa o início de uma mudança na vida de um povo? E ainda mais, depois de passados 53 anos? Admirei o gesto, confesso.

Publicidade
Publicidade

Mas, voltando ao nosso assunto: e os cubanos, como será que se sentiram? É claro que, como estamos acompanhando pela mídia, houve muita reação de insatisfação. Mas nos blogs, dá para sentir que o povo acredita na mudança e tem esperanças.

Veja o que contaram os blogueiros - alguns relatos

Alejandro Rodríguez conta que na cidade de Camagüey, que é uma das cidades mais importantes da Ilha, a notícia teve um efeito comparável aos acontecimentos mais importantes do país. Contou também que os cubanos não estão acostumados com notícias, muito menos uma dessas, de alto impacto e que, por conta disso, houve quem chorou e quem não acreditava ser verdade. Disse ainda que as manifestações surgiram espontâneas, em um cenário onde tal coisa (esse tipo de notícia) é uma anomalia.

Yuris Nórido conta que "poucas vezes uma notícia sacudiu com tanta intensidade o povo cubano".

Publicidade

Disse que a imprensa nacional apenas havia anunciado que haveria uma intervenção de Raúl Castro e que seria sobre os Estados Unidos, mas que alguns que têm acesso à internet já sabiam que Allan Gross havia sido libertado. A notícia se propagou, mas os meios de comunicação nacionais estavam quietos, porém, graças a um sinal aberto da Telesul, alguns telespectadores puderam acompanhar também o discurso de Obama. Disse ainda que nas ruas de Havana as pessoas se felicitavam com satisfação.