Antigamente os casais eram mais românticos, as mulheres muito mais reservadas. Um casal de namorados para dar as mãos na frente dos pais passava vergonha, mas isso com o passar do tempo foi ficando mais liberado, hoje em dia está liberado até demais!

Dizem que o verdadeiro amor nunca se esquece. Essa #História é verdadeira, aconteceu mesmo com uma garota que sofreu e tem guardado em seu coração até hoje esse episódio de sua vida.

Ainda bem nova (oito anos) ela se viu na obrigação de ajudar a mãe, cuidando dos dois irmãos mais novos, enquanto a mãe saía para vender perfume de porta em porta. Além de ir para escola na parte da manhã, era obrigada a limpar a casa e preparar as refeições, não conseguia fazer igual à sua mãe. Afinal de contas ela era muito nova, uma criança ainda.

Com o passar do tempo foi ficando habilidosa e aos 11 anos já dava conta de tudo - estudos, limpeza da casa, cozinhar e muitas vezes também tinha que preparar uma bacia de água morna para sua mãe que chegava com os pés doloridos de tanto andar nas ruas para fazer suas vendas.

Seu pai, na profissão de pedreiro, lutava muito para manter a #Família numa situação razoável.

Publicidade
Publicidade

Com 14 anos de idade ela resolveu ir procurar um emprego para ajudar a família com uma renda a mais.

Em 1979 conseguiu um bom emprego mesmo com carteira profissional em branco em uma fabrica têxtil, então depois da fase de experiência, chegou do trabalho muito feliz, mostrando seu primeiro holerite para os pais que também ficaram muito orgulhosos da filha.

No dia do seu aniversario de 15 anos, deram uma simples festinha para ela realizada pelos seus pais. Nessa festa ela conheceu um rapaz que tocou seu coração de forma assustadora. Ele estava numa turma de amigos da escola de seu irmão. Os olhares se encontravam no decorrer da festa, foi então que ele pediu para dançar com ela. Ela, sendo uma moça reservada (muito tímida) aceitou, mas estava tremendo.

A festa foi divertida, tanto que seu pai resolveu fazer outra, um baile familiar como era chamado naquele tempo, apesar de sempre ter a presença de amigos e conhecidos.

Publicidade

Então o rapaz passou a frequentar a casa dela e em um belo dia chamou seu pai para conversar em particular e pediu a garota em namoro.

Seu pai não gostou muito não, mas consentiu ao ver nos olhos da filha que ela realmente estava apaixonada pelo rapaz. Como era seu primeiro namorado, o pai determinou os dias e horários desse namoro, e sempre dentro de casa. Com o passar dos meses o amor entre os dois foi ficando cada vez mais intenso, mas sempre dentro de casa. Ele a levou para conhecer a família dele, que ficou encantada com a bela moça de respeito.

O namoro já ia para dois anos e o rapaz já tinha planos de casamento, comprou um par de alianças - que a deixou preocupada (casamento! sou muito nova!), porém ela estava muito apaixonada.

De repente, do dia para a noite, começaram a surgir boatos de que ele não seria um bom marido para ela (amigos invejosos) e como se já não bastasse ela foi obrigada a terminar o namoro. Com 17 anos, tinha que obedecer às ordens dos pais.

Agora vem a fase da depressão, fugir, sair correndo atrás dele.

Publicidade

Ela entrou em um profundo sofrimento, se fechou para tudo e todos. Não queria mais saber de passeios, viagens e nem namorar mais, muitas vezes ele foi atrás dela na saída do trabalho, mas ela fugia com medo dos pais.

Atualmente ela está casada com outro homem muito bom, tem seus filhos, mas lá no fundo do coração tem uma cicatriz que nunca vai sumir, pois amor de verdade...é para sempre.