Na última quinta-feira (4), foi apresentado pelo Departamento Nacional de Trânsito- Denatran - o novo modelo de placa que passará a circular no Brasil a partir de 1º de janeiro de 2016. Os demais países do Mercosul, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela, também terão a mesma padronização. A mudança do modelo já vinha sendo estudada desde 2010, no entanto só foi oficializada no último dia 27 de novembro pelo Conselho Nacional de Trânsito- Contran, conforme a resolução 510.

O objetivo da sofisticação do novo sistema de placas e da padronização no Mercosul, é ter total controle da fiscalização dos veículos que transitam entre os países, atuar os possíveis infratores, e inibir os crimes dessa natureza.

Publicidade
Publicidade

Pois, segundo o Denatran o modelo utilizado atualmente já está desatualizado.

A placa de identificação a ser adotada terá um sistema de elementos extra de segurança e de difícil remoção como a faixa holográfica, semelhante às notas de R$ 50 e R$ 100, o que significa que a clonagem do veículo será mais difícil de ser realizada. Outro fator de segurança contra a falsificação será a marca d'agua, o código bidimensional que permite saber o nome do fabricante, a data de fabricação e o número da série da placa. Além disso, o sistema também permitirá a conexão entre os bancos de dados dos cinco países. Todos esses mecanismos de segurança já são usados em todo mundo.

A nova placa terá fundo branco, cor que vai contrastar com a combinação de caracteres, margem superior de cor azul, do lado esquerdo o logotipo do Mercosul, à direita a bandeira de onde o carro procede e, no centro, o nome do país do veículo.

Publicidade

A identificação conterá a combinação de sete caracteres alfanuméricos, sendo quatro letras e três números em alto relevo, possibilitando 450 milhões de combinações. O novo sistema também ajudará na leitura automática de câmeras de segurança. Cada categoria de veículo será distinguida por diferentes combinações de cores.

Relativamente sobre os custos da modernização o esperado é que o valor do emplacamento não tenha um custo elevado para o brasileiro, pois com a nova medida as chapas de metal serão produzidas por empresas credenciadas pelo órgão do governo. Atualmente as placas são produzidas por várias empresas, em seguida são vendidas para o Denatran. #Automobilismo