Hoje foi um dia histórico, pois pode marcar o início do fim de uma república socialista. Os Estados Unidos, em um ato de coragem, segundo alguns, de seu presidente Barack Obama, inicia o processo de reaproximação dos dois países com algumas medidas que, segundo ele, visam melhorar a vida do país cubano.

Os "acertos" iniciais começaram com a libertação de presos - Cuba libertou Alan Gross, que estava detido há mais de 5 anos na ilha e os Estados Unidos libertaram três de cinco presos cubanos que haviam sido presos na Flórida, acusados de espionagem de cubanos que estavam exilados no país.

Já Alan Gross fora preso por tentar levar às comunidade cubanas serviços de internet.

Publicidade
Publicidade

Foi acusado de subversão. Com a sua prisão há cinco anos atrás, minou qualquer chance de se tentar uma reaproximação. Além dele, um outro preso - que talvez seja um agente de espionagem dos EUA - foi também liberado. Esse último estava preso há quase 20 anos.

Os dois chefes de estado fizeram discursos simultâneos nessa tarde. Enquanto Barack Obama declarava que não tinha mais sentido esse distanciamento por motivos ideológicos e econômicos, Castro se pronunciava sobre as medidas. Ele propôs "a adoção de medidas neutras, baseadas nas leis cubanas".

Entre as medidas, estão o restabelecimento das relações diplomáticas, facilitar as viagens à Cuba, expansão do comércio dos EUA para Cuba de bens para a construção civil e de equipamentos para pequenos produtores rurais de Cuba, possibilitar a viajantes o uso de cartões de débito e crédito americanos, permitir a abertura de contas na ilha para um melhor fluxo das transações entre os dois países, entre outras coisas.

Publicidade

A primeira medida é a abertura de uma embaixada americana em Honduras.

O fato é que temos um novo começo - bom ou ruim para Cuba? Estará Castro também disposto a fazer mudanças em seu país? Obama deu o passo inicial e como fica com os republicanos assumindo o governo?

Todas essas são questões que somente o tempo responderá. Aguardemos, e torçamos para que os muros derrubados hoje em Cuba realmente tragam uma vida melhor ao povo cubano.