Até então tranquilo, o bairro do Leme, no Rio de Janeiro, está ameaçado de perder a sua paz, apesar dos esforços dos moradores para impedir a construção no local de uma estação do bondinho pela Companhia Caminho Aéreo do Pão de Açúcar. Além dos transtornos que certamente vai provocar no já confuso tráfego de veículos no bairro, a construção de uma estação da linha 3 do teleférico do Pão de Açúcar, a ser localizada no morro do Leme, vai certamente trazer irreparáveis danos ambientais à vegetação e flora do local, que é uma Área de Proteção Ambiental (APA) com 28ha de Mata Atlântica.

'Espremido' entre a montanha e o mar, limitado pelos bairros de Copacabana, Urca e Botafogo, o bucólico 'subúrbio da Zona Norte em pleno coração da Zona Sul' - como é conhecido - o bairro do Leme, com seus poucos 0,97km² e cerca de 15 mil habitantes, não é uma extensão da Princesinha do Mar, mas um local com características muito próprias.

Publicidade
Publicidade

A principal delas uma perfeita convivência entre os 'moradores do asfalto' e as comunidades da Babilônia e do Chapéu Mangueira, ambas ocupadas por UPP, que se estendem pelos morros do Urubu, Leme e Babilônia.

Segundo moradores da região, que realizaram no último domingo (dia 14) uma manifestação em frente ao Forte Duque de Caxias, buscando o apoio do Exército ao movimento contra o teleférico, o empreendimento, a ser levado a cabo pela Cia. Caminho Aéreo do Pão de Açúcar, vai promover o #Turismo predatório na área, já reconhecida pela Unesco como Patrimônio Mundial, na medida em que pretende aumentar o número de visitantes de 35 mil para um milhão por ano. Tal afluxo de turistas é incompatível com as características do local, uma área de Mata Atlântica nativa, que vem sendo recuperada nos últimos vinte anos.

Publicidade

Além dos prejuízos ambientais, tal afluxo de visitantes provocará inúmeros transtornos nos bairros do Leme e da Urca, com reflexos em Copacabana e Botafogo.

Projeto de lei

O movimento de resistência dos moradores, chamado 'Não ao teleférico no Leme', além do apoio popular, conta também com um importante instrumento legal, a ser votado em breve, o Projeto de Lei nº 41/2013, de autoria do vereador Paulo Messina (Solidariedade, RJ), com a finalidade de "proibir a instalação de teleférico ou equipamento similar na Área de Proteção Ambiental do Leme". Uma audiência pública sobre o tema será realizada na Câmara Municipal, em data ainda a ser marcada.

O movimento também possui uma Fan Page nas redes sociais - 'Salvem o Leme' - em que os interessados podem buscar maiores informações.