A semana foi marcada por um apagão que atingiu 11 estados brasileiros e o Distrito Federal devido ao elevado consumo de energia elétrica. Na segunda-feira (19), um pico de consumo causou o corte de energia nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e em Rondônia, no Norte. Afinal, quem teve condições de comprar um ar-condicionado ou ventilador no verão desse ano, mantém o aparelho ligado a maior parte do tempo. Com o apagão, pessoas que estavam no metrô de São Paulo foram obrigadas a passar 50 minutos no trem sem ar-condicionado. Passageiros sofreram queda de pressão e alguns se arriscaram a sair do veículo e caminhar pelos túneis subterrâneos.

O voo 2047 da companhia aérea GOL também foi manchete recente.

Publicidade
Publicidade

No domingo (18), os passageiros da aeronave que seguiria do Rio de Janeiro para São Paulo, foram obrigados a abrir as portas de emergência enquanto o avião taxiava na pista. Muitos passageiros passaram mal devido ao calor e à falta de ventilação no ambiente, pois o sistema de refrigeração encontrava-se desligado. Houve desespero e as pessoas recusaram-se a continuar a viagem. Segundo a GOL, a unidade auxiliar que fornece energia para os sistemas elétricos da aeronave em solo apresentou um defeito e os passageiros foram submetidos a essa condição por cerca de uma hora.

Já em São Paulo, Zona Oeste, o #Hospital Metropolitano Butantã está sendo alvo de críticas por ainda não ter ativado seu sistema de ar-condicionado. Segundo o G1, as altas temperaturas na capital paulista e o sol que entra pelo vidro dos corredores resultam no superaquecimento do local.

Publicidade

Os pacientes estão passando mal e são obrigados a trazer seus próprios ventiladores para aguentar o calor. A direção da unidade particular de saúde afirmou que o sistema de ar-condicionado central está sendo implantado, mas não forneceu previsões e não comentou sobre quaisquer medidas para aliviar o sofrimento dos pacientes.

Conheça o pai do ar-condicionado

Willis Carrier foi responsável pela criação do ar-condicionado. Nasceu em 1876, nos Estados Unidos, e mais tarde, formou-se em Engenharia Mecânica. Após anos de testes e aprimoramentos, em 1906, registrou a patente do que viria a ser o primeiro aparelho de ar-condicionado do mundo. No mesmo ano, Willis vendeu sua primeira unidade para a LaCrosse National Bank, em Wisconsin. O inventor faleceu aos 73 anos, sem saber a importância de sua invenção para as próximas décadas.