Não é de hoje que filmes norte-americanos fazem sucesso na TV do brasileiro e as séries e bestsellers que viraram filmes alcançam recordes incríveis de bilheteria dos cinemas do país. O brasileiro nunca foi tão norte-americano!

Recentemente, a Rede Globo alcançou números interessantes na exibição de "Under the Dome", série baseada no bestseller de Stephen King em um horário nada nobre, entre às 0h37 e 1h22. Segundo a jornalista Patricia Kogut, de O Globo, a série bateu recorde no Rio de Janeiro, na segunda-feira (12), alcançando 11 pontos.

Em novembro, o filme "Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1" entrou em uma polêmica, alcançando números extraordinários de exibição em salas de #Cinema do Brasil inteiro: cerca de 1.310.

Publicidade
Publicidade

A queridinha da vez é a série "Divergente". Seu segundo filme, "Insurgente", do bestseller de Veronica Roth que estreia no dia 19 de março, promete ser mais um sucesso norte-americano em terras tropicais, porém não quebrará nenhum recorde, pois a ANCINE - juntamente com algumas distribuidoras de filmes - assinou um acordo que já começou a vigorar nesse ano de 2015 e que não permite que um único filme seja exibido em mais de duas salas em cinemas com 3 a 6 salas ou não ultrapassar 35% das salas em locais com mais de 6 salas.

Voltemos a questão: o que há em comum em todos esses sucessos? Por incrível que pareça, o que se assemelha nessas obras é o repúdio pela ideologia socialista. Em todas essas obras, sempre há a tentativa de formar uma sociedade igualitária, onde todos têm as mesmas necessidades e o indivíduo, como ser único, é ignorado e, quando se rebela, é visto como cruel e destruidor da sociedade ideal.

Publicidade

Filmes como "Correr ou Morrer", "O Doador de Memórias", o próprio "Divergente", entre outros, mostram essa temática que, há muito tempo, é disseminada nos Estados Unidos.

O que mais chama atenção é que a maioria dos brasileiros se dizem ser de esquerda, afirmam que o socialismo é a melhor forma sistema e fazem parte do grupo "adoradores de Cuba". Como assim? É, o brasileiro é um liberal enrustido! Os brasileiros se dizem esquerdistas, mas amam um drama de jovens quebrando sistemas ditos "igualitários", ditaduras de esquerda, sistemas onde o Estado manda e desmanda em tudo, suprimindo o direito de escolha de cada indivíduo.

A cultura diz muito sobre um povo. Se o cinema é considerado a sétima arte pelo pelo teórico Ricciotto Canudo, nossas bilheterias e audiências televisivas dizem muito sobre o pensamento do povo brasileiro. #Opinião