Na última sexta feira (16), a ministra de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH), Ideli Salvatti, relatou seu pesar por ainda existir pena de morte, em seu comentário sobre a condenação por fuzilamento do brasileiro Marco Archer, por tráfico de drogas na Indonésia.

"É lamentável que esse tipo de pena ainda exista, sendo que é uma sentença irrecuperável. Acreditamos que a pessoa, por mais que tenha errado, possa ser ressocializada", falou a ministra Ideli Salvatti, durante uma solenidade para entrega de equipamentos a conselhos tutelares no Rio de Janeiro.

Ideli Salvatti relatou que o #Governo brasileiro vem atuando de todas as maneiras para procurar impedir a execução de Marco Archer.

Publicidade
Publicidade

Isso desde o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Lamenta também que as negociações não tenham dado certo devido à mudança de governo na Indonésia, em que o novo presidente tem como objetivo endurecer as penas sobre as questões do tráfico de drogas.

Ontem (16) pela manhã, a ministra Ideli Salvatti acompanhou a presidenta Dilma Rousseff em um apelo ao presidente da Indonésia, Joko Widodo. Dilma Rousseff falou como presidenta e como mãe e fez questão de ressaltar que esse tipo de condenação não existe na legislação brasileira e que há mais de 150 anos não ocorre execução no Brasil.

"Mesmo com todos esses apelos, não conseguimos sensibilizá-los. Vamos acompanhar. Talvez meditando um pouco mais, haja alguma mudança", falou a ministra Ideli Salvatti.

O brasileiro, que deverá ser executado na madrugada desse domingo (às 15 horas desse sábado, de acordo com o horário de Brasília), recebeu hoje a visita de sua família - que talvez seja sua última visita.

Publicidade

Marcos Archer Cardoso Moreira é brasileiro, tem 53 anos e é instrutor de voo livre. Foi flagrado tentando entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína, escondidos nos tubos de uma asa delta. Ainda chegou a fugir, mas foi preso duas semanas depois.

Os familiares e amigos estão desesperados, mas não perdem as esperanças e pedem que todos orem em uma corrente do bem para que um milagre possa vir a acontecer. Enquanto há vida, há esperança. É o que todos tentam se apegar nesse momento.