Nos últimos dias, o traficante Marco Archer Cardoso Moreira, preso e executado na Indonésia, no sábado (17), vem sendo tratado como herói. A informação de que seu corpo foi cremado e será trazido para o Brasil por sua tia, Maria de Lourdes Archer, tirou a calma da deputada Maria do Rosário (PT-RS). Em sua página no Twitter, a deputada, que já foi ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, contestou o interesse em saber para onde as cinzas do traficante serão levadas no Brasil. E disparou: O sujeito não era herói, era traficante.

A ex-ministra dos Direitos humanos fala que foi contra a sua execução.

Publicidade
Publicidade

"Sou contra a pena de morte", relatou. No entanto, se sente incomodada sobre o destino que terá as cinzas de Archer, um interesse que vem sendo repercutido principalmente pela mídia brasileira.

O brasileiro foi preso em 2003, quando tentou entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína escondidos em tubos de uma asa delta. Marco Archer era instrutor de voo livre, foi flagrado ao passar pelo raio-x do aeroporto de Jacarta, na Indonésia. Conseguiu fugir e foi pego duas semanas depois.

A Anistia Internacional qualificou como um retrocesso o desrespeito aos Direitos Humanos.

O presidente Joko Widodo assumiu a presidência prometendo dar prioridade na área de Direitos Humanos, mas também prometeu tratar com mãos de ferro assuntos relacionados ao tráfico de drogas no país.

Publicidade

Foram feitos vários pedidos de clemência para Archer, inclusive da presidenta Dilma Rousseff, mas Joko Widodo mostrou ser linha dura no que se refere ao narcotráfico.

A presidenta Dilma Rousseff condenou a execução do brasileiro e destacou que tal ato afetou gravemente as relações entre Brasil e Indonésia.

Ainda tem o caso do surfista brasileiro, Rodrigo Gularte, preso em 2004, também por tráfico de drogas, no aeroporto de Jacarta, que também teve o pedido de clemência feito pela presidente Dilma Rousseff negado. Rodrigo Gularte, que tem 42 anos, foi pego com 12 pacotes de cocaína.

Com toda essa comoção por parte da mídia, o que se vê nas redes sociais são brasileiros revoltados com tanta preocupação com traficantes presos no exterior, enquanto muitos estão a ceifar vidas inocentes aqui no Brasil. #Opinião