Tomou posse nessa sexta-feira,02/01, o novo ministro do planejamento, Nelson Barbosa. Fica sob sua responsabilidade, elaborar e coordenar o PPA (Plano Plurianual do governo federal). O que significa isso? Que o ministro do planejamento definirá as estratégias para o desenvolvimento do país nos próximos quatro anos.

Segundo o novo ministro, a prioridade é melhorar a qualidade dos gastos públicos, fazer ajustes na política econômica e garantir que continue havendo aumento real do salário mínimo.

Para realizar ajustes na economia, o ministro Nelson Barbosa confirmou as medidas já adotadas e anunciadas nessa segunda-feira, antepenúltimo dia do ano, pelo ministro da Casa Civil, Aloízio Mercadante. Medidas provisórias (MPs) que tornarão mais rigoroso o acesso da população aos benefícios previdenciários, corrigindo "distorções e excessos" em programas de seguro desemprego, pensão por morte, abono salarial e Previdência Social. O ministro do planejamento afirma que as medidas darão resultado, a economia absorverá esses resultados e que é possível o país voltar a crescer rapidamente. "Vamos esclarecer todas as dúvidas que eventualmente tiverem no legislativo." "Essa medidas são necessárias, estão corrigindo distorções e excessos que já foram identificados há um tempo e preservando direitos sociais", disse o novo ministro.

Até aí, tudo bem. Se é para o bem do país. e, consequentemente da população, é válido. Mas a minha pergunta é: As cento e cinquenta e sete aposentadorias vitalícias dos ex-governantes e viúvas que já vigoram há algum tempo, assim como as futuras, como a da viúva do ex-presidenciável Eduardo Campos, farão parte dessa "correção"?

Acredito que, como já tenho lido em algum lugar, " A ignorância no Brasil não é uma crise; é um projeto". Porque, assim como também já tenho lido em algum um outro lugar, "Sob a mais livre das constituições, um povo ignorante é sempre escravo."

Nossa governante fala muito bem e nossos ministro também. O problema é: "O povo está entendendo bem?" #Opinião