O Papa Francisco fez declarações um tanto polêmicas nos últimos dias. Recomendou aos fiéis que não se reproduzissem feito coelhos. Esse foi mais um dos reflexos de se ter uma pessoa com ideais modernos no maior cargo da igreja católica. Os conservadores, com suas dores de cabeças, andam relutando com os novos conceitos que estão sendo apresentados.

Aos que não entenderam a declaração: os coelhos têm alto índice de fertilidade e também possuem ótima resistência à doenças, ou seja, se reproduzem aos montes. Há raças de coelhos em que a fêmea consegue ter 50 filhotes em apenas um ano. A declaração feita pelo Papa me provocou certos questionamentos.

Publicidade
Publicidade

Por acaso, será que o Papa sabe dos auxílios que o governo concede para cada filho que a família tiver? Obviamente, a verba não compensa, mas o povo muitas vezes só quer receber um dinheiro extra e acaba nem pensando nas consequências.

Por acaso, será que o Papa sabe que filho de presidiário ganha pensão do governo? É muito comum casos em que as mulheres de presidiários acabam ficando grávidas mesmo com o pai dentro da penitenciária.

A mistura de auxílios com um povo com pouca educação gera alta produtividade de filhos. Receber mais parece ser sempre mais vantajoso. Se formos pensar em famílias que os pais são analfabetos e não têm a capacidade mental de fazer cálculos para ver que ter um filho para ganhar benefícios não é vantajoso.

É válido lembrar que o Papa ainda declarou sua posição contra a concepção artificial.

Publicidade

Deixando os casais homossexuais em situação desfavorável, afinal, como ter filhos?

Quanto ao controle de natalidade  a que o Papa se referiu, eu concordo plenamente. Há filhos demais em famílias que têm comida e recursos de menos. Isso deve ser evitado. Só que não vi a #Opinião do Papa sobre camisinhas e métodos contraceptivos: ou o jornal escondeu, ou ele de fato não falou nada a respeito. É preciso questionar isso também. Ou será que além do controle de natalidade o Papa deseja também que as famílias façam menos sexo? #Religião