O caso do goleiro Aranha foi uns dos mais notórios do ano de 2014, quando foi chamado por uma torcedora gremista de "macaco". Outro caso notório foi o de Rogério, que foi assassinado por policiais militares após o confundirem com um perigoso traficante. Casos como o do goleiro Aranha e de Rogério estão ficando cada dia mais comuns na mídia.

O Brasil, querendo ou não, é um país racista, a exemplo das cotas para negros e índios nas faculdades. Quer absurdo maior que esse? Pois, como seres humanos, somos todos iguais, independentes da cor, raça e religião, e uma medida como essa é realmente vergonhosa para um país com tanta diversidade cultural.

Publicidade
Publicidade

Era para ser um dia como qualquer outro para Rogério, estudante do terceiro ano de odontologia e morador do Rio de Janeiro. Ele seguia todo dia o mesmo trajeto para a faculdade, que não ficava muito longe de sua casa. Foi quando a polícia o cercou e, sem perguntar muito, fez com que ele entrasse na viatura. Três dias depois ele foi encontrado morto com um tiro na cabeça ao lado de um córrego.

Rogério sempre foi um rapaz dedicado aos estudos. Apesar de vir de #Família pobre, era considerado muito inteligente na escola e com muito esforço conseguiu uma bolsa de estudos pelo Prouni. Seu sonho era ser um dentista. As testemunhas que o viram entrar na viatura disseram que os policiais que o abordaram apenas disseram para ele entrar e mais nada.

Algum tempo depois, sua mãe descobriu que foram aqueles policiais que mataram seu filho e que ele foi confundido com um perigoso traficante conhecido como Café.

Publicidade

Os policiais o mataram, pois a descrição do bandido era homem negro, alto e magro. Rogério nem ao menos recebeu uma intimação em sua casa, não foi chamado a depor, mas simplesmente foi assassinado por ser parecido com o procurado.

Quantas pessoas são presas injustamente? Muitas são assassinadas por causa deste tipo de preconceito que o Brasil ainda vive, mesmo depois de quase 130 anos da assinatura da Lei Áurea. Quantas pessoas ainda são paradas por policiais por serem negros e acusados de estarem infligindo à lei ou quantas outras são humilhadas com piadas de mal gosto ou xingadas por apelidos preconceituoso?

Enquanto nós e o governo não unirmos forças e não fizermos nada, sempre acharão normal este tipo de atitude. Precisamos mais que nunca erradicar este mal que vive dentro de nós e cortar esta raiz para que ela não cresça nos corações das futuras gerações. Não devemos deixar que a visão de Martin Luther King e tantos outros grandes homens que lutaram por essas causas seja apenas um sonho. #Educação