A rebelião no presídio de Pernambuco, localizado no Curado bairro do Recife, causou mais tragédias no dia 19 de janeiro (segunda-feira). Desta vez, as vítimas foram um policial e um detento. Também houve 24 detentos feridos. Tudo isso, devido a um protesto dos presos que reclamam pela demora da #Justiça. A rebelião foi focada na demora de muitos processos do juiz Luiz Rocha, da 1ª Vara de Execuções Penais do Recife.

Os detentos se reuniram nos telhados dos pavilhões e solicitaram a saída do juiz da Vara de Execuções Penais. O policial Carlos Silveira do Carmo trabalhava no presídio há apenas seis meses. Ele foi baleado durante uma inspeção na guarita central.

Publicidade
Publicidade

A morte do policial ainda está sob investigações para identificar quem é o culpado pelo assassinato.

Também houve agressões a agentes públicos. A situação foi controlada após o reforço na quantidade de agentes penitenciários. Segundo entrevista do Jornal Folha de Pernambuco a um dos presos "Faca, todo o sistema penitenciário tem, todos eles (presos). Isso é uma proteção nossa, particular, não é para fazer mal a ninguém, já que a Justiça não nos dá essa proteção, já que a Polícia não tem condição de nos proteger" informou o detento.

A revolta dos presos se iniciou pela manhã de maneira tranquila, apenas com cartazes e fazendo reivindicações contra a morosidade da justiça. O surpreendente é que mesmo durante o início do protesto haviam presos com facões e celulares. Infelizmente, havia muitos detentos com armas brancas.

Publicidade

E no período da tarde a rebelião causou muitos feridos e dois mortos.

Quando os presos começaram a radicalizar nos protestos, o batalhão de choque da polícia entrou em conflito com os presos. Enquanto os detentos jogavam pedras nos policiais, eles recebiam em troca balas de borracha. Com isso, houve detentos feridos.

Este presídio enfrenta dificuldades, pois há superlotação de detentos e em vistoria recente foram encontradas armas brancas, celulares e drogas.

Alguns presos foram socorridos e levados para o Hospital da Restauração em Recife. Sendo oito detentos feridos com balas de borrachas. Todos possuem situação estável e não sofrem perigo de morte. #Televisão