Ah, a adolescência! Época mágica em que o glamour de cantoras teens e boy bands invadem nossos fones de ouvido, cadernos e até o guarda-roupa. Até aí, super normal, afinal, lançar roupas, calçados e penduricalhos de celebridades em seu auge da fama são uma jogada de marketing espetacular e, na maioria das vezes, os produtos realmente são de muito bom gosto.

Mas parece que a velha, atual ou futura guarda (ainda em processo de definição) tem confundido as coisas. De repente surge uma mulher linda na tela da TV que usa cachecóis extravagantes mesmo embaixo de um sol de 40 graus. Parece surreal e até divertido na novela, série ou clipe, mas...

Publicidade
Publicidade

e quando isso aparece nas ruas?

De repente, lá está você passeando pelo Bom Retiro, Oscar Freire ou Paulista e TCHARAN! Você não entende se é pegadinha de programa chato de auditório ou se é um retrato do fim dos tempos da #Moda.

A moda não necessariamente precisa ser aquela que está nas passarelas, mas aquela que faz você se sentir bem, que diz algo sobre você e seu jeito de ser e o mais importante, que te vista bem. O fato do "carinha" da novela usar um cabelo laranja "gari" ou uma calça ultra apertada, capaz de deixar qualquer um estéreo, não significa que ficará bem em você.

Vista o que combina com você! Não é preciso que homens e mulheres que estão acima do peso fechem a boca para sempre a fim de aderirem ao corpo perfeito, mas o bom senso é essencial, gratuito e eficaz. Em outras palavras: não é bonito você deixar suas "saliências" penduradas por cima da calça, saia, shorts ou figurino indecifrável só porque a Lady Gaga ou a tiazinha do programa humorístico o fez.

Publicidade

Está ridículo! E as pessoas olham porque acham que você está ridículo(a). E, se tiram fotos, não é porque você está arrasando corações. É porque querem compartilhar tamanha bizarrice com os amigos por longo tempo.

Não existe o certo ou errado. Há pessoas gordas que não param de falar mal da suposta "ditadura da magreza" e muitos magros mandando gordos fecharem a boca. Quando os grupos começam a se maltratar, ninguém chega a lugar nenhum. A Gisele Bündchen é espetacular do jeitinho magérrimo que ela é e a Adele também tem suas qualidades e beleza mesmo estando muitos dígitos acima do que é esperado. Elas são lindas, felizes e, se vierem a sentir-se mal, elas mudam, não porque um grupo de desocupados solicitaram, mas porque decidiram que era o ideal naquele momento.

O mesmo vale para as vestimentas. Pare de sair na rua parecendo o Bozo, um travesti de filme, um boneco doido ou uma funkeira do crime. Se você não se valoriza, não espere que alguém venha fazer isso por você.

Lembre-se: nem todos personagens da TV fazem sentido na vida real e o fato de você se identificar com eles, não significa que vocês sejam iguais. Depois não adianta reclamar! #Opinião