Zelador de um condomínio de Higienópolis, bairro da zona oeste de São Paulo, dá provas de solidariedade aos paulistas ensinando como se pode captar e armazenar água da chuva para consumo.

'Fomos criados com cisterna, sem água encanada e não morremos por isso, com essa água a gente tomava banho, bebia...Por quê não usar essa água para lavar, usar nos banheiros', declara o zelador. O baiano Admilson Santana, 49 anos, criou um sistema de captação da água da chuva que pode ajudar a economizar água.

Santana é zelador do prédio Rio Piracicaba há 16 anos, ele construiu um sistema de encanação que consegue levar até um poço toda a água que cai do telhado, esse poço tem capacidade de acumular até 30 mil litros.

Publicidade
Publicidade

Santana teve essa ideia depois de vivenciar o sofrimento dos paulistas com a falta d'agua que assola São Paulo. O poço recebia água de uma mina e atualmente estava sem uso. Encanador de mão cheia e hábil no manejo da construção de cisternas, ele sentiu-se preparado para realizar o trabalho e foi muito elogiado pelos moradores. 

A água da chuva só tinha utilidade para lavar áreas externas do condomínio e regar o jardim. Hoje com o invento do zelador os moradores estão poupando para usar num futuro próximo, com medo da #Crise da água em São Paulo.

O baiano do município de Crisópolis (BA) faz de tudo para manter o condomínio limpo. Para não ver os moradores dos 28 apartamentos de 200 a 240 m2, todos com 4 banheiros, sem água, ele só lava algumas vezes o saguão do edifício e também a calçada, segundo ele mesmo diz, 'Só varrendo é possível fazer uma boa limpeza e se piorar a falta d'agua só vou lavar pra valer daqui uns seis meses'.

Publicidade



Ainda na tentativa de ajudar e achando que pode haver rodízio, Santana estuda a possibilidade de instalar 2 caixas d'agua no pergolado de concreto, no térreo do edifício, para armazenar mais água da  chuva, 'Se tiver racionamento a água não entra nas caixas então os moradores poderão se abastecer com a água do poço armazenada, a ideia é nunca faltar água, agora só depende de cada um dos moradores'.