O transporte coletivo de Blumenau amanheceu com as linhas sem circulação na manhã de ontem. A paralisação tem gerado impacto na rotina das pessoas na cidade. Uma das principais reivindicações de cobradores e motoristas é de mais segurança nos terminais urbanos da cidade, após muitos atos de violências como assaltos e agressões.

Os usuários de ônibus da cidade também são afetados, tanto pela paralisação no dia de hoje quanto pela falta de segurança enfrentada diariamente. Na manhã de ontem, muitas lojas no centro de Blumenau estavam fechadas por mais tempo. Muitas pessoas que saíram de carro chegaram atrasadas no #Trabalho, pois o transito ficou intenso, outras nem conseguiram chegar por depender do transporte coletivo.

Publicidade
Publicidade

A paralisação não afeta apenas quem utiliza diretamente os ônibus, mas as aulas em algumas escolas, os motoristas, os comerciantes e a população no geral. Após uma reunião com os representantes responsáveis, na tarde de ontem a categoria decidiu por unanimidade continuar a paralisação. Hoje mais um dia amanheceu sem a circulação dos ônibus na cidade.

Após conversar com algumas pessoas que utilizam o transporte coletivo e outras que foram afetadas pelo transito, podemos perceber que a maioria da população está prejudicada devido à paralisação. Mesmo assim, quem utiliza diariamente os ônibus na cidade, confirma que vive de perto as situações de violências no local e algumas pessoas consideram a paralisação necessária, mesmo que interfira em sua rotina.

Outras pessoas acreditam que deveria ter outra forma para manifestar esse descontentamento com a segurança nos terminais, para que a população não precisasse ser tão afetada.

Publicidade

A greve já dura dois dias e não tem previsão de terminar, até que as medidas de segurança solicitadas pela categoria sejam colocadas em prática nos terminais urbanos da cidade. Agora quem continua sendo prejudicado é a população, que apesar de também perceber a necessidade de mudanças nos terminais, não pode parar a rotina do dia a dia pela falta de ônibus.