Sentindo-se ofendidos com a charge que o cartunista Vitor Teixeira postou em sua página no facebook, assessoria da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) faz pressão para que ele tire a imagem do ar. Segundo eles isso pode gerar mais violência contra os evangélicos.

Vitor postou a imagem de um gladiador golpeando com a espada o peito de uma mãe de santo, enquanto ela permanece ajoelhada.

Para líderes de religiões africanas no Brasil, fica bem claro que ele faz uma alusão ao projeto 'Gladiadores do Altar', que foi iniciado este ano pela #Igreja universal, por conta disso foi encaminhado ao Ministério Publico Federal (MPF) pedido de investigação do caso.

Publicidade
Publicidade

Usando sua página no Facebook Vitor disse julgar esse ato uma ameaça à liberdade de expressão. Apesar da notificação ter sido expedida no dia 17, ele garante que só a recebeu dia 24.

O cartunista afirma ainda que a referida 'intimação' saiu do setor jurídico da igreja universal e acha que eles ficaram atônitos com a rapidez com que sua publicação sobre os gladiadores se propagou nas mídias.

Ele desabafa: 'Esse comunicado é um repudio ao que considero claramente uma ameaça à qualquer tipo de liberdade de expressão'. E concluindo, 'Diga-me quem te processa e eu te direi quem és'.

A notificação que a universal enviou à Vitor baseia-se na Lei 7716/89, artigo 20, onde se trata da instauração de crime a 'discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, #Religião ou procedência nacional'.

Publicidade

Eles pedem que a página do autor da charge seja apagada, ao mesmo tempo solicitam informações pessoais dele.

A universal confirmou que tudo isso foi feito com a intenção de alertá-lo e mostrar que essa publicação poderia instigar o ódio das pessoas contra 'as religiões' de origem africana e até da própria IURD. Em uma nota a igreja diz que Vitor retirou a charge do ar por ter reconhecido seu erro.

O cartunista contesta a nota em sua página no Facebook. 'Eu apaguei o desenho tão voluntariamente quanto os fiéis da igreja universal pagam o 'dízimo', que caso não paguem terão seus nomes incluídos no SPC.