Notícia de impacto político foi divulgada por fontes do Pentágono: a morte de um terrorista. Nada de novo no reino da Dinamarca. A notícia em si não causou nada. O que causou espanto foi a arma utilizada para levar a cabo tal façanha: um veículo aéreo não tripulado, mais conhecido como drone. Para aqueles que se encantam com a tecnologia uma notícia triste? A resposta está na cabeça de cada um. Na guerra vale utilizar todas as armas. O falecido tinha diversas culpas no cartório. Poucos devem ter chorado sua morte, mas muitos devem ter comemorado. Depois disso a humanidade segue seu caminho, mas não sem que se deva lamentar este fato.

Autoridades do pentágono revelam que um #Ataque de dispositivo não tripulado matou o líder da Al-Shabab.

Publicidade
Publicidade

Adan Garar já estava na mira dos caçadores de terroristas há algum tempo. Olho por olho e dente por dente parece ser a política da grande potência, mas para quem viu seu filho morrer no massacre do shopping em 1967 e para parentes de outras vítimas, tudo bem. Outra façanha do terrorista foi o assalto, em 2013, ao Wesgate Mall, em Nairobi. "Garar era uma ameaça à região e à comunidade internacional", disse a entidade em comunicado e acrescenta que a morte do militante é um golpe pesado à milícia.

O fato ocorreu há poucos dias na Somália. O comandante dos militantes Somalis foi alvo dos americanos: fato confirmado. Ao considerarem ter sido a sua morte uma grande perda para o grupo, mais um erro: alguns dias depois (ontem), o grupo assumiu a responsabilidade por mais um ataque a uma aldeia queniana, onde morreram quatro pessoas.

Publicidade

O fato levantou dúvidas sobre o impacto da perda de seu líder para o grupo terrorista.

Grupos terroristas parecem uma fênix que se levanta das cinzas ou quem sabe uma Hidra que, com suas sete cabeças, era praticamente invencível, pois segundo reza a lenda, suas cabeças podiam se regenerar. Enquanto ela não encontrou Hércules matou muitos com seu hálito assassino.

Quem sabe a humanidade não precise de outro Hércules que, entre seus trabalhos, tenha a missão de destruir todos os grupos terroristas existentes.