Quarenta dias. Esse era o tempo de vida que um casal de gêmeos tinha quando foram brutalmente assassinados em Buritizal, interior de São Paulo. Izabella Marques, de 22 anos, era a mãe das crianças, que eram filhos de Matusalém. O empresário Matusalém Ferreira Junior, de 48 anos, nunca quis assumir a paternidade das crianças, uma vez que eram frutos de uma relação fora de seu casamento e ele não queria que a esposa descobrisse.

Em uma gravação telefônica divulgada no dia 17 de fevereiro, Izabella afirma para uma amiga que iria se encontrar com Matusalém. Conta também que o empresário havia pedido para levar as crianças e que não era para contar para ninguém sobre o encontro.

Publicidade
Publicidade

Ainda assim, Izabella pediu para um parente taxista levá-la até o local combinado.

Imagens de segurança mostram o momento em que mãe e filhos adentram um veículo no dia 12 de fevereiro. O corpo de Izabella foi encontrado antes dos filhos e quase foi enterrada como indigente. A polícia de Uberaba pediu a foto da vítima, confirmando se tratar da mesma mulher que estava desaparecida. A vítima foi reconhecida por seu pai.

Matusalém se entregou à polícia e acusou o comparsa pela autoria do #Crime, levando agentes da polícia até uma região de matagal onde ele afirmou que as crianças estavam. Os gêmeos foram encontrados sem vida nas cadeirinhas do bebê conforto do carro cinco dias após o assassinato, ambos com um tiro na cabeça. A prisão de Matusalém foi decretada e o mesmo tem recebido ameaças na prisão.

Publicidade

O empresário está em uma cela isolada em um presidio de Uberaba, Minas Gerais, mas ainda assim tem recebido diversas ameaças dos presos do mesmo pavilhão. O advogado de Matusalém tenta conseguir a sua transferência para outra unidade prisional.

Assim que todas as perícias estiverem concluídas, Matusalém e Pedrão, o seu comparsa, serão indiciados por homicídio triplamente qualificado, com a agravante de envolver crianças, sequestro e ocultação de cadáver. Pedrão diz que procurou Matusalém por conta de uma proposta de emprego que havia recebido do empresário e não sabia que presenciaria as execuções, já Matusalém mantém sua versão de que Pedrão é quem cometeu todos os crimes. #Violência