Um motociclista foi flagrado enquanto trafegava com uma criança "escondida" por debaixo da camiseta na garupa de uma motocicleta, no município de Rio Verde, em Goiás. De acordo com o G1, o flagra foi feito por um internauta, que fotografou o momento no qual o motociclista passava pelo cruzamento de duas avenidas com intensa circulação de veículos, na área próxima ao trevo de acesso à BR-060.

A situação exemplifica a recorrente falta de consciência de inúmeros motoristas e motociclistas brasileiros, que infringem as leis de trânsito sem qualquer receio em relação às penalidades cabíveis. No flagra, não foi possível identificar a idade do menino.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o Código Brasileiro de Trânsito (CBT), crianças com idade inferior a sete anos não podem ser transportadas em motocicletas.

Além disso, a tentativa de ocultar o menino foi ineficaz. É possível perceber que a criança não usava capacete, equipamento básico e fundamental de segurança para a circulação em motocicletas. No caso, a infração é considerada gravíssima e resulta em 7 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Além da retenção do documento, a multa é de R$ 191,52.

Relembre

Um caso semelhante ocorreu em dezembro do ano passado, na cidade de Jaraguá, situada a 143 quilômetros de Goiânia. Uma mulher foi flagrada enquanto trafegava com três crianças na garupa de uma motocicleta. Elas usavam capacete, mas não conseguiam alcançar o pedal. No vídeo do flagrante, publicado também pelo G1, a condutora chega a tirar as mãos do guidão para fazer um sinal, expondo as crianças a um risco ainda maior.

Publicidade

O transporte de crianças com menos de sete anos ou sem condições de cuidar da própria segurança em motocicletas é uma infração gravíssima. Além da suspensão da CNH, a multa para o condutor é de R$ 574,00. No caso da mulher de Jaraguá, o excesso de passageiros também está em desacordo com a lei. Consiste em uma infração média de trânsito, penalizada com quatro pontos no documento e multa no valor de R$ 85,13. Em ambos os casos, os responsáveis pelas crianças expuseram os passageiros a riscos desnecessários.