A água tem sido tema de estudo em diversas pesquisas. Desta vez o local de mais um estudo com resultados assustadores foi a Califórnia. O estudo foi desenvolvido por ordens do governador do estado e teve os registros de Sierra Nevada como fonte. O objetivo de analisar consequências de seca prolongada acabou sendo confirmado. Assim as manchetes: "Califórnia ordena restrições ao consumo de água" representam mais uma fonte de recomendações que não serão atendidas por uma cultura ocidental de abundância.

A observação de locais nos quais a neve ocupava toda a paisagem é possível observar no inverno atual, um campo marrom.

Publicidade
Publicidade

Jerry Brown, o governador, alertado pelos técnicos visitou diversas localidades e, imediatamente após seu retorno, ordenou restrições imediatas.

No ano anterior já havia sido solicitado um corte voluntário de 20%, mas a meta não foi atingida e a redução sequer chegou perto da pretendida. A primeira seca acontecida este ano no Estado assustou aqueles que consultaram os registros de Sierra Nevada. O pronunciamento do governador foi contundente: "estamos pisando em terra firme e seca, quando deveríamos estar posando sobre cinco pés de neve".

20% no uso de água que a maioria das partes do estado não conseguiram atingir, até mesmo com uma das secas mais severas, arrasta para um quarto ano. Ele também veio no dia em que os funcionários de água medido o menor 01 de abril neve acumulada em mais de 60 anos de manutenção de registros na Sierra Nevada.

Publicidade

No alerta, Brown recomenda que os californianos mudem os seus hábitos que levam a um consumo excessivo e elevado desperdício de água e afirmou: "em um mundo diferente, temos que agir de forma diferente".

A ordem foi focada na vida urbana, ainda que no Estado três quartos do consumo estejam no setor da agricultura. As medidas tomadas são quase que universais e quase que universais, também são o descumprimento das recomendações. Ainda assim haverá a criação de um desconto temporário para quem conseguir reduzir o consumo no percentual solicitado pelo governador (25%) e todos os sistemas de irrigação devem utilizar sistemas de gotejamento. O aumento da tarifa também está previsto.

Mesmo depois de anunciadas todas as medidas Adam Scow, diretor do Food & Water Watch Califórnia considera as medidas decepcionantes por não atacar o setor de maior consumo, o que irá tornar inócuos os benefícios advindos das medidas tomadas. As reclamações são secundadas por Felícia Marcus, presidente do conselho de controle estadual de recursos hídricos local, com recomendações que o tratamento deve começar com a regulação e proteção das águas subterrâneas, agora consideradas como um recurso público.

A diversas situações pontuais locais, soma-se então, mais um Estado que arca com a cultura da abundância. O que é necessário é uma união em nível internacional para tratamento do esgotamento dos recursos naturais, antes que o preço a ser pago seja alto demais. #Natureza