O pastor evangélico David Berzins usou o seu último sermão para tentar convencer os fiéis da Igreja Batista Palavra da Verdade que a melhor maneira de combater a homossexualidade no Arizona, nos Estados Unidos, é apedrejando gays até a morte. Ao perceber que não receberia apoio dos demais líderes cristãos, ele se irritou e questionou o fato dos outros pastores não seguirem o que Deus fala sobre as relações homoafetivas no Velho Testamento da Bíblia. Para Berzins, quem crê em Deus deveria seguir as palavras descritas no capítulo de Deteuronômio que prega a condenação de homossexuais. Outro pastor que também levanta polêmica quando o assunto é a relação entre pessoas do mesmo sexo é Steve Anderson.

Publicidade
Publicidade

ele é um dos poucos que apoiam os sermões de Berzins.

- Não tenham medo desses pervertidos e nem das retaliações, temos que seguir o que Deus mandou. Eles são maus e temos que combatê-los!, essa é uma mais famosas frases que David usa em suas pregações.

E esses dois não são os únicos pastores que defendem esse discurso, no ano passado, o líder evangélico Robby Gallaty ganhou espaço nas manchetes de jornal por falar à toda sua consagração que eles teriam que matar gays e lésbicas em nome de Deus.

Evangélicos x Gays no Brasil

O programa Na Moral, apresentado por Pedro Bial, discutiu na madrugada de sexta-feira as relações homoafetivas com o pastor Silas Malafaia, o jornalista Jô Soares, o dramaturgo Silvio de Abreu e a desembargadora Maria Berenice Dias. Quando o assunto entrou na representatividade dos gays na dramaturgia, o evangélico foi enfático ao afirmar que não acha correto retratar personagens gays em todas as novelas, e que a Rede Globo estaria fazer um lobby gay.

Publicidade

Silas sempre falou abertamente sobre o fato de não aceitar a homossexualidade e já foi muito criticado por isso, embora uma legião de fíéis concorde e reproduza suas opiniões.

Na última semana, quando uma cantora gospel assumiu ao jornal norte-americano The Independent que é lésbica, a maioria dos membros de grupos evangélicos nas redes sociais se posicionaram de forma intolerante e preconceituosa, assustando até mesmo outros cristãos menos conservadores. Um deles postou em sua conta no Facebook que o passaporte dela para o inferno estava assinado, outro afirmou que ao se declarar gay ficava claro que ela nunca tinha aceitado Jesus verdadeiramente. O fato é que mesmo que de uma maneira branda, na maioria das igrejas, os homossexuais são recebidos com desconfiança e preconceito. #Televisão #Religião #Violência