O caso não poderia ser mais irônico, e não seria exagero algum afirmar que é bastante preocupante, devido os comentários racistas serem de alunos que irão, por ventura, defender casos de racismo e discriminação no país. Com certeza, sendo mais esclarecidos do que todos os que não estudam a legislação brasileira, alunos de Direito da PUC de Campinas fizeram um papelão em rede social. A confusão começou por uma causa fútil, devido a divisão de times num jogo de futebol.

A postagem foi feita no dia 27 de Março e recebeu mais de 500 comentários. Muitas imagens de racismo foram postadas, dentre elas, várias montagens de membros da Ku Klux Klan, que perseguia e assassinava negros nos Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

Muitos memes também foram usados para fazer piadas de negros, além da imagem de um professor negro sendo perguntado por um aluno branco, "Professor, poderia ser mais claro?".

Alguns alunos ameaçaram fazer uma denuncia formal à polícia, mas não foram ouvidos, o que desencadeou mais confusão e ofensas. O tópico chegou a ser movimentado durante cinco dias consecutivos e, somente depois do caso chegar à polícia, foi que os administradores da página o excluiu. Em nota à imprensa, a direção do curso, que integra o Centro Acadêmico de Direito da PUC de Campinas, afirmou que os tons de brincadeira e piada serviram como máscara para discriminações e racismos no mundo todo, e isso legitimou muitas atrocidades através dos tempos.

Um dos estudantes negros classificou o acontecimento como um retrocesso grande no modo de pensar das pessoas, já que um curso onde deveriam ter 'mentes abertas', e serem livres de preconceitos, foi o que mais cometeu gafes e erros grotescos de humanidade.

Publicidade

Ele disse que foi um show de horrores, ignorância e intolerância para com os colegas de curso. A PUC disse ainda, que o grupo que realizou os ataques não era oficial, pois, a universidade tem uma página administrada pelo Departamento de Comunicação Social e que, por isso, só tiveram acesso ao caso depois do ocorrido.

#Crime