Nosso país viveu uma das mais sombrias e vergonhosas histórias de racismo de todos os tempos com a escravidão. Depois veio a lei da abolição e, desde então, muitos direitos foram conquistados pelas chamadas minorias, como: o voto das mulheres, igualdade de direitos (será?) e liberdade de expressão. No entanto, de uns anos pra cá, uma nova questão apareceu e vem gerando muita discussão e opiniões quentes, até severas demais.

Trata-se da igualdade de gênero, ou seja, casais do mesmo sexo terem os mesmos direitos dos heterossexuais, sobretudo, no âmbito do casamento civil e da constituição familiar. Porém, mesmo com o avanço dos tempos, ainda é possível encontrar situações de preconceito e homofobia na sociedade.

Publicidade
Publicidade

E foi isso que aconteceu com um casal de mulheres em São Paulo, ao tentar participar de uma promoção para casais num restaurante japonês.

Caroline e Natália, estudantes, foram a um restaurante de comida japonesa, no último mês de março, e foram impedidas de participar da promoção que dava 30 reais de desconto para cada casal no rodízio. O gerente do estabelecimento disse que elas não se enquadravam na promoção, e ainda, pegou um molho normal e um light para ilustrar a situação: "Um molho é diferente do outro, e vocês são iguais", disse o gerente, segundo as moças. Constrangidas, elas disseram que ele não precisava desenhar para que ambas entenderem o preconceito e a homofobia. O casal se dirigiu para registrar queixa na Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual.

Representante legal do 'Shogá Japanese Food', o advogado Gustavo Defina, afirmou que houve erro por parte do gerente e que o estabelecimento nunca teve um caso parecido antes.

Publicidade

Em nota divulgada no Facebook, a empresa pediu desculpas às meninas e a todos que possam ter se sentido ofendidos com o ocorrido, e que errou ao realizar uma promoção que desse margem para um julgamento homofóbico. Com o caso, se condenados pelo juiz, o restaurante pode ser apenas advertido, ou ter que pagar uma multa que pode chegar até 60 mil reais por discriminação.