Segundo a edição francesa do Blasting News, no Conselho de Ministros, de 5 de janeiro, Laurent Stefanini, chefe do protocolo da República, desde 2010, foi nomeado embaixador da França junto à Santa Sé. Uma posição invejável por diplomatas.

Uma provocação para alguns

Entretanto, a escolha do governo francês não parece agradar totalmente as autoridades do Vaticano, o menor país do mundo, que também é a última monarquia absoluta da #Europa. A posição de embaixador da França junto à Santa Sé ainda está vaga desde 1 de Março e seu sucessor tarda a assumir o cargo no Villa Bonaparte.

Laurent Stefanini é gay, e esse pode ter sido o motivo que teria levado o Vaticano a atrasar a validação de sua nomeação. O arcebispo de Paris, cardeal André Vingt-Trois, ex-presidente da Conferência da França Episcopal, no entanto, enviou uma carta ao papa Francis para apoiar a escolha do Elysee.


Alguns membros da Cúria Romana acreditam que a nomeação de Laurent Stefanini é uma provocação. A atitude é uma evidência de que Igreja Católica ainda não está plenamente confortável para lhe dá com a questão da homossexualidade, apesar de sinais preliminares de abertura e de apaziguamento do Papa Francisco sobre este tabu, desde sua eleição, em março de 2013.

A relutância do presidente da Manif pour tous

Alguns católicos, menos progressistas, também se opõem à nomeação. Este é o caso de Ludovine La Rochère, presidente da Manif pour tous, uma associação francesa que luta contra a abertura dos direitos ao casamento entre homossexuais na França, interviu pessoalmente com o Núncio Apostólico em Paris para expressar sua relutância.

É conveniente recordar que a Manif pour tous "condena qualquer tipo de violência, qualquer manifestação de homofobia ou intolerância em qualquer forma.", é o que está escrito em seu site.

A homofobia é inaceitável

Em 2015, é inconcebível aceitar por um único segundo de que um homem pode ser excluído de um cargo de tamanha importância por causa de sua orientação sexual e afetiva. Resta a esperança de que o Vaticano não se comprove homofóbico - uma forma de intolerância inaceitável - e que tudo seja apenas um simples desentendimento, que não tem nenhuma relação com a homossexualidade de Laurent Stefanini.

Villa Bonaparte, residência do embaixador da França junto à Santa Sé, aguarda com grande expectativa a sua chegada. #Religião