O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) era a melhor forma para aqueles alunos sem condições financeiras cursarem o ensino superior, pois oferecia uma baixa taxa de juros ao ano, e ainda contava com uma carência de 18 meses para o estudante começar a quitação da dívida. Mas os pretendentes a aderir o programa não tiveram uma boa notícia do Ministro da #Educação Janine Ribeiro, quando disse que o orçamento para o ano de 2015 está completamente esgotado, e o futuro de uma nova edição é incerto, isso vai depender do ajuste fiscal nas contas públicas, que por sinal, já se encontra em andamento.

Felizmente o FIES não é o único programa que oferece créditos ao aluno que deseja ingressar na #universidade, existem algumas instituições privadas que possuem semelhança com o programa governamental, mas poucos conhecem, e estas podem ser boas alternativas para quem busca um caminho diferente e não quer abrir mão da faculdade sonhada.

Publicidade
Publicidade

Uma das opções são os bancos particulares. O Itaú oferece taxas que variam de 7% à 8% ao ano ,fruto do programa Crédito Universitário Itaú, mas não conta com o período de carência por outro lado oferece o estudante pode pagar a dívida até o dobro do tempo em que se levou para fazer o curso.

Já o Crédito Universitário do Bradesco, dá ao aluno 12 meses para quitar o valor semestral, com débito automático na conta bancária. A primeira parcela vence 30 dias após a contratação, com taxa de juros em acordo com o convênio entre o banco e universidade.

Outra alternativa são os programas privados com destaque para o Pra Valer da Ideal Invest. Neste programa o universitário irá pagar metade da mensalidade mais encargos, tendo ainda duas vezes e meio do tempo de curso após o término para quitar o financiamento.

Publicidade

Para a simulação acesse o site da instituição: Portal Pra Valer.

Vale lembrar também a Fundaplub que tem o trabalho semelhante ao da última, mas conta com apenas 26 instituições de todo o Brasil que aderiram a este programa, limitando assim a escolha por esta opção. Para mais informações acesse: www.fundaplub.org.br

Mesmos com todas estas alternativas, é necessário um planejamento preciso para chegar a uma conclusão se é ou não viável um endividamento, já que o aluno além de pagar as mensalidades, tem custos com livros e transporte dependendo do local. Sendo assim um financiamento estudantil pode abrir portas mas se não usado de maneira inteligente pode gerar um caos financeiro trancando-as. #Governo