O Ministério de #Educação desenvolveu pesquisa onde mostra que cada vez mais, os jovens entram nas universidades antes dos dezessete anos. Geralmente são jovens imaturos que não sabem escolher a profissão que vão seguir. Esta imaturidade é uma consequência natural da idade e da pressa em obter sucesso, o que deixa as lideranças de gestão de pessoas confusas quanto à imaturidade destas pessoas.

É preciso rever a cultura para que esta maturidade possa acontecer nesta idade. Tudo começa na escola, no ensino médio para que os professores, tenham algum conhecimento de causa, sobre os assuntos de desenvolvimento de testes vocacionais.

Publicidade
Publicidade

A família pode interferir, tanto de forma positiva quanto de forma negativa ou não fazer nada por seus filhos deixando que eles decidam o que fazer por si mesmos, o que geralmente conduz a escolhas incorretas.

Se a família não ajuda, se os professores não têm experiência com orientação vocacional, resta a contratação de um profissional no mercado, o que pode evitar que estes jovens se lancem em uma aventura de consequências que podem ser de elevado custo ou de perda de estima profissional e de ter tido a oportunidade de escolher uma carreira diferente, na qual a pessoa poderia ter tido grande sucesso.

Mesmo pessoas bem-sucedidas em algumas profissões acabam se tornando pessoas depressivas, insatisfeitas com o próprio trabalho e que chegam a uma idade adulta, em fase de transição, que não sabem o que fazer.

Publicidade

Grande parte destes casos decorre de famílias que interferem de forma negativa e que querem que o filho trate dos negócios da família, dê continuidade aos projetos que eles não conseguiram resolver, ou simplesmente querem que o filho siga a profissão mais em moda ou que pague mais. Assim temos engenheiros que poderiam ser excelentes médicos, médicos que poderiam ser excelentes arquitetos e por aí diversos exemplos podem ser citados. Eles são cada vez mais numerosos na sociedade contemporânea.

Maurício Sampaio em seu trabalho de orientação vocacional, que pode ser consultado em seu livro (influência positiva), considera importante que este aspecto seja eliminado antes que o aluno fique confuso e jogue um tempo importante fora. Fica a recomendação para que o próprio jovem procure apoio. O caminho natural deve ser seguido: procurar os pais; procurar os professores; procurar um profissional. #Opinião