Produtos que interessam, bem projetados, lançados de forma correta e para as pessoas interessadas, não carecem de conteúdo. Mas, em muitas ocasiões, eles não sabem ser apresentados da maneira certa para a pessoa mais certas.

Isto já aconteceu com muitos produtos, de muitas empresas e em alguns casos custou o emprego de marqueteiros bem estabelecidos e que, por fazerem a cama e deitaram na fama, esqueceram que a inovação no mercado on-line é diária.

Se seu produto tem alguma "verdade" que não pode ser contada, de nada adianta um bom conteúdo. A língua pequena ganhou um alcance enorme na grande rede. Se este for seu caso, o que você pode fazer é arriscar.

Publicidade
Publicidade

Mas nesta hora é bom lembrar Lincoln (aquele circunspecto presidente americano) que dizia: "Você pode enganar uma pessoa por muito tempo; algumas por algum tempo; mas não consegue enganar todas por todo o tempo". Alguma hora, a revelação deste fato, pode tirar o produto da jogada.

Mas existem produtos fora desta conotação e que são apresentados de forma incorreta. O que se recomenda é evitar os adjetivos, um produto muito adjetivado é um produto mal fabricado. Os adjetivos geralmente em nada contribuem para a descrição de um produto e chamam atenção do consumidor. Não diga mais que seu perfume irá encantar nove entre dez artistas do cinema. A maior parte dos usuários o compra em três pagamentos e nunca sequer irá chegar perto de qualquer atriz, a menos que tenha uma na família. E familiares não contam nestas estatísticas.

Publicidade

Sempre, antes de procurar um conteúdo verídico, chamativo para seu produto, cuide com a adjetivação e faça algumas perguntas sobre a frase que foi utilizada como chamariz. O que a frase diz? Como ela pode impressionar o futuro usuário? A chamada é de bom gosto? Sugere alguma atitude politicamente incorreta?

Ler mensagens que não tem conteúdo é meio caminho andado para que ele não consiga passar da primeira semana bombardeando as pessoas. Se o público alvo exigir adjetivações pode utilizar, mas procure que eles estejam de acordo com o que o produto realmente apresenta. A utilização de metáforas, algumas vezes desejadas em textos, deve ser evitada como conteúdo de propaganda.

Para quem não tem conteúdo e o que dizer, resta como alternativa, atingir aquele público que compra, mesmo sem utilizar qualquer coisa que algum famoso utilize. Mas é preciso fazer a escolha correta e ter cuidado. A associação do produto não é apenas com a imagem, mas também com o comportamento do famoso escolhido. Qualquer falha, no mercado on-line, é irrecuperável.

Deixe a atividade de ser lacônico para os tuitadores. Por lá a criatividade não é exigida e as pessoas podem dizer tudo o que quiserem, felizmente a mensagem é pequena e feitas para pessoas que tem preguiça de ler. Mas se tiver alguma ideia genial, que caiba nos 140 caracteres possíveis é outro canal que pode ser utilizado. Lembre-se, para quem não tem algo a dizer, melhor ficar calado. #Negócios #Mídia