A morte do cantor Cristiano Araújo, 29 anos (no dia 24 de junho) e de sua namorada comprovam uma tese muito preocupante no Brasil... Nossos jovens estão morrendo mais!

Seja por acidente com veículos ou por homicídio, a verdade é que não se tem políticas públicas que realmente funcionem na prevenção e conscientização sobre riscos e danos provocados.

A morte de um jovem, em qualquer condição sócio-econômica é uma certeza que não se comprova e não se absorve, afinal, não é parte do processo natural da vida e isso causa impactos relevantes e muitas vezes permanente dentro das famílias. 

Nós, enquanto pais e filhos, temos que, desde sempre, nos educar (e retransmitir) fundamentos sociais capazes de amenizar esse tipo de situação.

Publicidade
Publicidade

Seja pelo próprio estudo da vida e cidadania, seja pela religião ou até mesmo na escolha daqueles que queremos como governo, nosso discernimento tem que ter por prioridade a capacidade de fazer as melhores escolhas!

Um país com 200 milhões de pessoas não pode se dar ao mal prazer de deixar que as coisas simplesmente aconteçam.

Segues os dados do Observatório de Homicídios para América Latina e Caribe para os anos entre 2007 e 2012. Os dados não levam em consideração Conflitos Armados, Guerras e Similares:

Brasil (Números Totais no Ano / Proporção para cada 100 mil Habitantes): 

2007 - 44.625 homicídios / 23,5

2008 - 45.885 homicídios / 23,9

2009 - 44.518 homicídios / 23,0

2010 - 43.272 homicídios / 22,2

2011 - 46.177 homicídios / 23,4

2012 - 50.108 homicídios / 25,2

Fonte: Site UNODC

Analisando o relatório, em números absolutos não perdemos nem para a Colômbia onde a guerra contra tráfico é constante e intensa e nem para Índia (um dos países mais populosos do mundo).

Publicidade

Em números proporcionais (para cada 100 mil habitantes) perdemos apenas para a Venezuela. Isso falando apenas de América Latina. 

São números extremamente preocupantes e relevantes que devem fazer com que todo cidadão (e não apenas políticos, policiais e outras autoridades) comecem a questionar o quanto importante seu aprendizado é para sua sociedade. #Educação #Família #Opinião