Hoje (18) se inicia o Ramadã, o mês sagrado dos muçulmanos.

Ele é o nono mês do calendário islâmico, no qual se acredita que o profeta Maomé recebeu a revelação dos primeiros versos do alcorão. Ele ocorre entre 18 de junho a 17 de julho. Ele é comemorado em todas as comunidades muçulmanas espalhadas pelo mundo. É um período de meditação e orações.

Os patriarcas dirigem um apelo para que todos os muçulmanos dirijam orações para a #Religião que professam. O patriarca de Babilônia dos Caldeus, Raphel Louis Sako, dirige mensagem de apelo a todos os membros do Islã, para que aconteça uma cessação de lutas sem fim e sem razão, proporcionadas por pequenos grupos, maus frutos da religião islâmica.

Publicidade
Publicidade

A íntegra de seu pedido solicita participação de todos. Ela declarou: "No início deste mês sagrado, dirijo os meus irmãos muçulmanos, os meus melhores votos, esperando que Deus cobre-os com suas bênçãos e proteger nosso amado país, assegurando a estabilidade.". Ele pretende eliminar o medo e ansiedade para o futuro, com relação à insegurança permeia a sociedade, provocada por conflitos que acontecem nas mais diversas localizades espalhadas pelo mundo.

Para o patriarca o mundo parece ter se tornado um campo de batalha. No Iraque, seu domínio, ele solicita que sejam tomadas de reconciliação nacional, com a implantação de reformas políticas para evitar que o fundamentalismo islâmico, como é proclamado pelo Estado Islâmico (EI) proporcione um retrocesso e retire o país do caminho do progresso e do estabelecimento de um clima de bem-estar social.

Publicidade

No encerramento de sua peroração ele declarou que: "... o verdadeiro heroísmo não é para aqueles que lutam guerras e matam mais. O verdadeiro herói é aquele que trabalha para a paz, liberdade e dignidade de todos".

O que nos resta acrescentar é esperar que, neste período, sejam respeitadas por todas as pessoas, de todas as religiões, as profissões de fé muçulmanas. Este também é o desejo do papa, revelado em suas aparições para os fiéis católicos no Vaticano.