Não importa sua opção confessional. Para quem ainda não conhece o mito da torre de Babel (Bavel para os linguístas mais rigorosos), é importante refrescar as ideias. Esta foi uma torre construída na Babilônia pelos descendentes de Noé (o homem da arca, um dos maiores mitos religiosos, o que torna o Ararat, trasformado em seu porto de chegada, uma atração). A intenção era eternizar os nomes de seus construtores. A decisão final era fazê-la tão alta que alcançasse o céu (cuja existência não é uma unanimidade). Haveria tal condomínio, capaz de abrigar tantas pessoas que já se foram e outras que ainda irão? É uma pergunta que não quer calar.

Tal soberba, pois assim o homem é, ainda que criado à imagem e semelhança do Ser mais perfeito, provocou a ira de Deus.

Publicidade
Publicidade

Para confundir aqueles que estavam reconstruindo a nova humanidade, Deus confundiu as línguas, antes únicas, depois do fato multiplicadas e espalhou as pessoas por toda a terra. As parábolas são encantadoras, ainda que tal encanto possa evitar que muitas pessoas enxerguem a sua falácia. O mito está baseado na torre do templo de Marduk, cujo nome significava "a porta de Deus". Para os admiradores da arte é importante conhecer a arte de Pieter Brueghel, o velho, que a representou em uma tela com pintura a óleo. Há outras histórias sobre o fato, mas vamos apostar na verossimilhança desta.

Em entrevista ao programa Fantástico, o japonês Yoji Ishika confirmou a construção de uma nova torre. O projeto consiste de um elevador cuja velocidade de subida irá atingir 200 quilômetros por hora. O meio será o uso de um cabo que ligaria a terra ao espaço.

Publicidade

Ele subiria, subiria, subiria, até alcançar 100 mil quilômetros. Levando a algum ponto onde (fato creditado à imaginação humana, não confirmado e portanto fato não científico), poderia estar o céu e assim estaria cumprido o desidério dos antigos descendentes de Noé, como nós também o somos.

O objetivo de levar pessoas e trazer riquezas torna o projeto bem mais próximo de uma obra humana. O protótipo está lá em Tóquio. Exposto para quem quiser ver e comprovar mais esta tentativa do homem em descobrir as suas origens. Quem sabe propositadamente ocultas sob véus de mistério. Dizem que, se fosse comprovado que o "depois" é melhor que o "agora", ou que o "lá" é melhor que o "aqui", não sobrariam mais pessoas no antigo planeta azul. O que confirma que por aqui não andam boas.

Aquele telefone vermelho, citado no tempo da guerra fria, parece realmente existir. Obama, Putin e outros dignatários são seus atuais proprietários. Rezemos por eles para que tenham, sempre, boas noites de sono.

Publicidade

E também por suas mulheres, tidas como mulheres de Atenas, que segundo Buarque sempre estão por trás dos homens que são orgulhos de sua raça.

Será que este projeto é mesmo necessário? Não existiriam prioridades maiores para tamanho investimento? Quantas pessoas seriam alimentadas, vestidas e teriam moradia, com estes recursos? Um rosário de perguntas sem respostas. #História