Desde que o Brasil "reconquistou" a democracia, a população vem tomando fôlego para expressar seu estado de ânimo frente aos governos que elegem. Claro, a manifestação iniciou-se um tanto tímida, ne final da década de 80, com o #Governo Sarney. Naquele contexto, o galope da inflação, os tabelamentos dos preços e desvalorização da moeda quase que emudeceram a população, que pasma! mal sabia como agir.

Já no governo seguinte, do Presidente Fernando Collor, a população se vestiu da capa de revés, aquele seria o momento de ter um governante diferenciado, forte, corajoso, disposto a colocar os "marajás" de Brasília em seus devidos lugares e ao povo resgatar a dignidade que cada brasileiro merecia.

Publicidade
Publicidade

Mas os acontecimentos não supriram as expectativas da população. Só que desta vez, indignados, organizou-se para manifestar nas ruas seu descontentamento. Houve o impeachment e o Presidente foi substituído pelo vice. Dessa época até os dias atuais, as manifestações tiveram como protagonistas oposição e governo em debates, acusações e críticas sobre as decisões governamentais.

A última eleição no Brasil no entanto, trouxe e não levou com ela, um sabor diferente de insatisfação da população. Apesar da reeleição da Presidente Dilma Rousseff a sensação é de que houve muita pressão para que a governança não se alterasse. Num período de 12 anos de mandato do Partido dos Trabalhadores resta a população o desejo de renovação dos programas e decisões governamentais mais coerentes, amadurecidas e democráticas da gestão pública.

Publicidade

A postura de Estado Social adotado pelo PT já não é possível, tendo em vista principalmente o enorme crescimento da dívida pública. As políticas sociais do Programa Bolsa Família e da Minha Casa Minha Vida estão sendo considerados pelo TCU os empreendimentos que mais dependeram de financiamento dos bancos públicos, que caracteriza na gíria popular, "pedaladas do governo" para driblar a Lei de Responsabilidade Fiscal, Aliado aos desmandes do governo, o escândalo da maior e mais rica empresa brasileira, a Petrobrás acordou a população para sua responsabilidade em cobrar atitudes, punições e posturas na correção das mais grosseiras falcatruas expostas na mídia nacional e internacional.

Com o advento das redes sociais, as críticas se avolumam mais e mais... nem é preciso crias. Basta compartilhar ou deixar um comentário.

A Presidente Dilma e o seu aliado, o ex Presidente Lula, viraram os inimigos da população brasileira, sem chance, pelo que apontas as últimas pesquisas de aprovação pública, de se passarem como bons moços.

Publicidade

Tanta reprovação pode ser entendida também, como forma do brasileiro, que impedido pelas determinações legais de impedir os desmandos do governo que ajudou a eleger e que deveria defender os interesse públicos atuar com tanto descompromisso com a coisa pública.

É preciso compreender que, numa democracia, a manifestação popular apresenta-se como o amadurecimento das consciências políticas. No entanto, não se pode aprovar atos extremos de violência, pois num Estado de Direito, caberá o emprego da lei para apurar responsabilidades e punição dos responsáveis. Além do que, a opinião pública está cansada de saídas diplomáticas, de cadeias para ladrões de galinha e conversas de gordas comadres. Pois, a paisagem do país é realmente bela, o clima é fantástico, mas o pão de cada dia é conseguido com muito suor do brasileiro que realmente se empenha em melhorar esse país e conquistar para seus filhos um Brasil mais digno para se viver. #Crise #Comportamento