Foi uma quadra de tempo para esquecer. Ela fica registrada como um demonstrativo da violência da qual é capaz o ser humano. A guerra já havia acabado em território europeu, com a rendição alemã. Sua continuidade no pacífico trouxe para a humanidade uma tragédia desnecessária. O fato é tido como um dos dez maiores bombardeios já ocorridos durante a segunda guerra. Ele ocorreu três meses antes do seu final definitivo. Foi um ato que marcou a civilização de forma indelével.

Se algum alienígena chegasse na terra por aqueles dias, quem sabe não compreendesse o que estava acontecendo. Era uma contenda que colocava frente a frente seres pertencentes a uma mesma raça.

Publicidade
Publicidade

Não há propósito suficiente que justifique tais atos de violência. Enquanto os demais países comemoravam o final da guerra e pensavam na reconstrução, o Japão e os Estados Unidos davam continuidade à troca de agressões.

Quando tudo já havia acabado para os demais litigantes, três fatos se sucederam em sequência. O primeiro acontecido em no mês de março (operação Capela), com a destruição de Tóquio.

O orgulho oriental não aceitava o que acontecia em Tóquio. Ela estava sendo paulatinamente destruída pela ação contínua dos poderosos B-29, os super bombardeiros. A ele segue-se o evento da destruição de mais uma cidade japonesa. Em 6 e 9 de agosto ocorre a cartada final em Nagasaki e Hiroshima. A escala de destruição marca o ano de 1945 como um dos mais violentos na história das guerras.

Publicidade

No meio desta escalada de destruição estava Osaka, a cidade parecia a "preferida" dos aliados. Naquele triste dia foram despejadas mais de 6 mil toneladas de explosivos, destruindo um dos orgulhos da indústria japonesa. A construção naval, de ferro e aço e empresas de metais não ferrosos florescia.

É comum, para muitas famílias orientais, ter um pequeno altar. Geralmente ele está escondido em um canto da casa. Lá, nas datas especiais, são lamentados os atos de violência humana. Acontecem também os pedidos para que eles jamais se repitam. Neste próximo primeiro de junho estes propósitos devem voltar a acontecer. Se você tem em casa algo parecido com estes pequenos santuários, faça como os orientais certamente irão fazer. Acenda uma vela e peça que aquele telefone vermelho que continua sobre alguma mesa no Kremlin ou em algum outro lugar, jamais seja acionado. #Opinião