Parece haver um único remédio contra a #Corrupção: a honestidade. O Brasil encontra-se sob suspeita. Os órgãos públicos parecem ter aberto concorrência para ver qual o mais corrupto. Correio, Petrobrás, Congresso.

Há aqueles que consideram que foi aberta uma caixa de Pandora no país. Quando a Eletrobrás se tornar objeto de investigações, teme-se pelo pior. Quem sabe um apagão daqueles memoráveis. Outros órgãos podem entrar na mistura de um bolo intragável.

As irregularidades se acumulam. Não há mais como confiar em nenhuma autoridade. Estamos tal qual Diógenes. Segurando a lanterna em mãos na procura de alguém que seja honesto no Congresso Nacional.

Publicidade
Publicidade

Aqui se manifesta que política e honestidade são irreconciliáveis.

No futebol, carnaval, jogo do bicho, na terceira idade explorada por máquinas caça-níqueis, em todos os lugares a corrupção impera. Em que lugar existirão pessoas honestas? O entrelaçamento entre política e desonestidade se mostra irreversível.

O destitutione statum (estado de decepção) se instala quando se enxergam as miseráveis aspirações ao enriquecimento. Elas estão em alta. Ao lermos depoimentos de pessoas confiáveis, em sites confiáveis, acredite, ambos ainda existem, somos jogados frente à triste realidade que a honestidade é uma palavra em fase de mudança de significado.

Uma parte do mundo da política, da informação e comunicação, principalmente aqueles orientados para a esquerda, pensam poder fazer o que querem, sem se preocupar com verificações e investigações.

Publicidade

A presidente brada: queremos que as investigações sejam levadas a cabo. Isto nada mais é que retórica. Não significa uma manifestação de inocência. Querer tudo esclarecido, não significa que não se tenha culpa no cartório.

Blindados da forma como estão, Lula e a presidente podem exigir quantos esclarecimentos desejarem. Correligionários são entregues aos leões. Os desvios e atalhos que estão no caminho de chegada até eles estão plenos de desvios. Eles levam a pontos de onde não se consegue ir mais para lugar nenhum e, também, sem possibilidade de retornar.