A Globalização é um fenômeno da sociedade atual que teve origem na década de 1970 e alcançou mais velocidade ainda, nos anos 80, sendo um processo complexo de integração econômica, social, política e cultural entre países distintos, ou seja, nada mais é, do que uma necessidade capitalista da conquista de mercados novos, ainda mais se o mercado atual estiver sofrendo de saturação dos mesmos conceitos ditos acima (economia desvalida, sociedade desigual, relações políticas e manifestações culturais dos povos). Outra característica básica da globalização é que se alguém, por exemplo, espirra na #Europa, os sintomas da possível gripe são sentidos na América Latina.

Publicidade
Publicidade

Essa teia de relacionamento global condiciona a interdependência entre as nações tanto de forma positiva quanto negativa.

Caso clássico do abordado acima nos últimos meses e principalmente nos últimos dias é a calorosa negociação entre a Grécia e seus credores europeus e americanos sobre a real veracidade da dívida grega e empréstimos de socorro ao país. Uma outra pergunta que tem sido veiculada bastante ultimamente é a de quem deve quem? A Grécia deve pagar aos Europeus pelos "papéis podres" emprestados ao Estado Grego (principalmente pelas instituições bancárias da Alemanha e França) depois de 2012 ou a Europa tem uma dívida cultural e de crimes de guerra (principalmente a Alemanha do período nazista) cometidos na Grécia de 1940 à 1945, quando morreram mais de 250.000 gregos?

O mundo é tão um só, que após a vitória do referendo grego em 05/07, tendo o "não" como resposta por parte da maioria da população sobre a continuidade da ajuda econômica européia a Grécia, muitos outros países manifestaram quase que imediatamente palavras de apoio ao governo grego sobre esta decisão revolucionária de enfrentamento no velho continente, que tem conseqüências para todos globalmente falando.

Publicidade

Isto é ou não um sintoma da globalização? Claro que sim! Aqui, mesmo na distante América Latina, os líderes políticos de vários países fizeram circular na imprensa e redes sociais, as felicitações ao governo da Grécia pela vitória do estrondoso Não, da rejeição dos cidadãos helênicos a proposta da Troika, inclusive enviando documentos e cartas oficiais aquele país sobre o ocorrido.

O Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, estando na sede da Assembléia Nacional Venezuelana, disse que a resposta dada pelos gregos no domingo de 05 de julho foi "uma grande vitória contra o financiamento do terrorismo do FMI", dando vivas a Grécia e ao seu 1.º Ministro Alexis Tsipras. Paralelamente, a Presidente argentina, Cristina Kirshner, afirmou que o triunfo da Grécia representa o triunfo da dignidade e da democracia e expressou sua "solidariedade com os bravos povo e governo gregos." O Partido Socialista do Uruguai parabenizou através de comunicado que reconhecia a nobreza do povo da Grécia no referendo.

Publicidade

Ademais, o Presidente de Cuba, Raúl Castro chamou Tsipras de "valente" em uma carta ao 1.º Ministro contendo também votos de apoio. O Presidente Evo Morales da Bolívia, falou a Agência Boliviana de Informação que o ganho do Não, trata-se de "uma derrota do imperialismo europeu e o início da libertação dos povos daquele continente" e que o berço da democracia - Grécia - tinha o respeito dele.

Por outro lado, o que a maioria de fato deseja é que todo este alarido não passe mesmo de uma simples gripe sem maiores conseqüências aos vários países e suas populações indefesas e não uma pandemia contagiosa. #Comportamento #Crise econômica