O país está em caos. Como se não bastasse o aumento dos preços, da gasolina, da conta de luz e todos os escândalos de corrupção, a taxa de #Desemprego subiu, chegando a atingir 8,3%. A pesquisa foi realizada pelo IBGE e divulgada nesta       terça-feria (25). A região com a maior taxa de desocupação é o Nordeste, com 10,3%.

Em janeiro de 2015, a OIT (Organização internacional do trabalho) divulgou uma pesquisa onde apontou o aumento na taxa de desemprego para os próximos dois anos. No ano de 2014 está taxa atingiu 6,8%.

Ainda segundo a OIT, em 2015 haverá cerca de 3 milhões de desempregados no mundo e um total de 8 milhões nos próximos anos.

Publicidade
Publicidade

Este problema de desemprego está atingindo todas as faixas. Até os jovens com maior nível de escolaridade, que antes eram os menos afetados, atualmente passam por problema para conseguir uma vaga de emprego, mesmo com o diploma nas mãos. Em dez anos, houve um aumento no número de jovens formados no país. Atualmente, esse número chega a 830 mil.

No primeiro trimestre de 2015, a população desempregada no país aumentou cerca de 12,6%. Na capital do país, Brasília, o desemprego aumentou em maio, chegando a 14,4%. São 225 mil pessoas sem emprego no Distrito federal. Este aumento do desemprego, que atinge todo o país, é muito preocupante, pois traz com ele a crise em todos os setores. A tendência para os próximos dois anos, segundo a OIT, é crescer ainda mais.

Segundo o serviço de proteção ao crédito (SPC), a dívida dos brasileiros com os serviços básicos, como o de água e luz, já chegou a 7,03% no primeiro trimestre do ano.

Publicidade

No ano passado, o número de consumidores com contas básicas em atraso era de 2%. Já neste ano, o número ultrapassou 8,79%. Com isto, a solução de muitos brasileiros é recorrer aos empréstimos bancários, mas como os bancos andam aplicando uma política mais rigorosa, muitos recorrem as casas de financiamento e acabam se endividando, ainda mais, com os juros altos cobrados.

O número de famílias endividadas com cartão de crédito, seguro de carro, cartões de lojas, entre outras contas, também teve um aumento de 62,3%, segundo a PEIC (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor). 

Com o aumento da inflação e os preços nas alturas, fica complicado pagar as contas. O brasileiro anda se endividando cada vez mais. O que muitas vezes era para ser uma solução, como é o caso dos empréstimos para tirar o nome do SPC, ou, até mesmo, evitar o corte de luz e água, acaba virando uma dívida com juros altos. E aí, a dor de cabeça é maior do que se poderia imaginar.

Muitos também escolhem deixar de pagar uma conta para pagar outra e, assim, as contas desandam de vez. Todos os setores do país estão sofrendo com a alta da inflação, o que está acarretando no aumento do desemprego. Sem o emprego, as contas entram mesmo no vermelho. A situação não está fácil e, infelizmente, a tendência é que o desemprego continue aumentando. #Opinião #Crise econômica