Você sabia que o Brasil é o quarto país que mais prende pessoas no mundo? De acordo com dados do Departamento Penitenciário (Depen), a população carcerária no país hoje é de cerca de 607 mil pessoas, quase o dobro das vagas disponíveis nas penitenciárias (376 mil). Sobrecarregado, o sistema prisional trabalha com um déficit de 231.062 mil vagas.

Somente Estados Unidos, China e Rússia prendem mais do que o Brasil. No entanto, estes países diminuíram suas populações prisionais entre 5% e 13% nos últimos cinco anos, enquanto por aqui, no mesmo período, houve um aumento de 33% — do segundo semestre de 2014 até o momento, foram registradas mais de 7 mil prisões.

Publicidade
Publicidade

 

Em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), realizada nesta quinta-feira, 17, a diretora do Depen, Valdirene Daufemback, pediu atenção do governo e da sociedade. “Banalizamos por completo o uso da prisão. Estamos num movimento de superencarceramento sem precedentes”. De acordo com ela, se continuar neste ritmo, em 50 anos o Brasil deve subir para o posto de número um.

“Existe uma corrente mundial tentando dizer que esse caminho não está funcionando; não garante preceitos de segurança e paz social. Hoje no país há esse mito de que #Justiça se iguala a prisão”, afirmou Valdirene.

Veja o discurso da diretora do Departamento Penal durante a discussão sobre a política prisional, transmitido pela TV Senado nesta quinta-feira, 17:

Pesquisadora lança livro sobre sistema prisional brasileiro

A audiência da CDH também marcou o lançamento do livro ‘Liberdade atrás das Grades — pedagogia social, política pública e cultura de paz’, de Dalila Lubiana, pesquisadora que relata ganhos significativos de cidadania a partir de experiências feitas com detentas do Espírito Santo.

Publicidade

Na obra, Dalila relata como por meio de aulas de ioga, meditação e dinâmicas de grupos conseguiu estabelecer ordem e tranquilidade em algumas prisões capixabas. Além disso, reflete sobre o real grau de reforma social que o #Sistema prisional brasileiro oferece hoje. #Casos de polícia