A homofobia, preconceito e intolerância, cometidos constantemente por parte do Pastor Silas Malafaia, que também é Psicólogo, levou a uma iniciativa popular pedindo, em abaixo assinado, a cassação de seu registro de psicólogo (CRP).

Abaixo, a cópia na íntegra de um dos principais trechos da petição endereçada ao Conselho de Psicologia, pedindo a cassação do CRP do líder religioso. A petição se encontra no site de petições populares AVAAZ, ainda vigorando e recolhendo o maior número possível de assinaturas:

“Tendo em vista que a Psicologia, enquanto ciência da saúde, deve preservar e compreender a identidade dos sujeitos e promover a cultura de paz e de respeito aos direitos humanos, nós acreditamos que o Sr.

Publicidade
Publicidade

Silas Lima Malafaia (CRP/RJ 24.678), por ter apresentado repetidamente comportamentos homofóbicos e que patologizam a homossexualidade, desrespeitando o método científico e a ética profissional, deve ser submetido a inquérito administrativo que impeça sua atuação como psicólogo”.

O Pastor Silas Malafaia tem um registro de Psicólogo (CRP). O Código de Ética que tem a obrigação de seguir, e que conhecia muito bem ao adquirir o registro, inclui o comportamento social do profissional de saúde mental. O Conselho de Psicologia pune esse tipo de infração com severidade, chegando a cassação de vários psicólogos. São tantos os processos abertos anualmente que chega a ser difícil dar conta de todos e, por vezes, uma resolução de um caso simples pode levar alguns anos.

Alguns exemplos famosos na mídia, e que se encaixam perfeitamente no caso do pastor e psicólogo Silas Malafaia podem ser citados: A psicóloga cassada Rozângela Justino sofreu uma censura pública por “oferecer tratamento a pacientes que quisessem deixar a homossexualidade”, e que se encaixa no caso de preconceito e intolerância do pastor Silas Malafaia, como psicólogo que é.

Publicidade

O próprio Conselho Federal de Psicologia se pronunciou nesse caso de Rozângela, afirmando:

“A conduta da psicóloga contraria a determinação da Organização Mundial de Saúde (OMS) de 17 de maio de 1990, que retirou a homossexualidade da lista de distúrbios mentais depois que diversas outras organizações psiquiátricas respeitadas, como a Associação Americana de Psiquiatria e a Associação Americana de Psicologia. (...) A resolução n.° 001/99, do próprio CFP, feita em 22 de março de 1999, diz que "a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão, e que, pois, os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades”.

Como se vê, essa declaração vem diretamente ao caso do pedido de cassação do Pastor Silas Malafaia como psicólogo.

Conforme massificado na mídia, uma outra psicóloga cassada por misturar psicologia e #Religião foi Marisa Lobo, que insistiu em violar o código de ética, após ter sido advertida a retirar de seu site profissional e de suas redes sociais que era evangélica, sempre vinculando a sua fé cristã e posicionamento religioso ao exercício da profissão de psicólogo.

Publicidade

Marisa Lobo ficou conhecida pelo termo “Cura Gay”, por oferecer tratamento para curar a homossexualidade.

No caso de Marisa Lobo, esta tentou se defender dizendo ser “perseguida por ser cristã”, quando sabia que infringia gravemente o código de ética que tinha a obrigação de seguir e que se propôs a exercer a profissão por vontade própria.

Ao induzir os fiéis a homofobia, o pastor Silas Malafaia se encaixa também nesse caso da psicóloga cassada Marisa Lobo, que nada tem de perseguição a sua religião, como tentam manipular para tentar se defender, mas de uma violação escancarada e consciente da ética profissional, que se prontificaram a seguir e por vontade própria, a fim de obter o registro de psicólogos.

Enquanto isso, segue a campanha e recolhimento de assinaturas na Internet, no site de petições AVAAZ, pedindo a cassação do registro de psicólogo do pastor Silas Malafaia.

  #Opinião #Manifestação