Hoje não é mais novidade alguma vermos na TV, nas rádios e jornais, o quanto a sociedade é deixada de lado por interesses religiosos. As pessoas, simplesmente, navegam em um mundo fútil e capitalista.

Em Palmas, capital do Tocantins, movimentos sociais como a 'Parada Gay' não podem realizar passeatas na principal avenida que corta toda a cidade, mas quando se trata de #Religião, a 'Marcha Para Jesus' reuniu cerca de 20 mil pessoas na Theotônio Segurado, no último final de semana. 

A cidade, atualmente, modifica festas culturais como o Carnaval e dá uma nova roupagem, realizando o "Carnaval Gospel', que também toma as ruas da capital.

Publicidade
Publicidade

Porque estão nos tirando o direito de manifestar a favor de direitos iguais nas principais vias da cidade? Esse é apenas um dos questionamentos levantados por participantes da 'Parada Gay de Palmas 2015'.

A cidade conta com cerca de 273 mil habitantes, segundo senso realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). Por ser a capital mais nova do Brasil, deveria dar exemplo de tolerância a diversidade étnico-racial sexual e cultural, existente em todo o Tocantins. Mas, "estamos vivendo a mercê da bancada religiosa que não nos representa na Assembleia Legislativa e está transformando todo o estado em uma grande igreja", palavras do fotógrafo Deny Oliver, que se sente inconformado com a atual situação política de Palmas e do país.

"Hoje somos considerados a capital da fé, como assim, o estado laico foi-se embora? Não existe mais? Estamos passando o maior constrangimento vexatório da humanidade.

Publicidade

Um país que é conhecido lá fora por sua tolerância e 'mente aberta', se mostra muito mais conservador e preconceituoso do que imaginávamos", explica.

Será que Palmas está a caminho de uma revolução religiosa, onde todos serão privados pela 'democracia' de exercer sua cidadania? Bom, o que nos resta esperar é o desdobramento desta 'novela' que parece não ter fim. De um lado, temos as minorias, que não se unem para chegar a um acordo, do outro, temos a religião, que parece se aproveitar desse momento de fragilidade, que percorre os movimentos sociais, para dar sua cartada final.

Até quando essa 'queda de braço' vai durar no Brasil, de um sonho intenso, onde raio é vívido e os campos florescem? Isso não se sabe ao certo, o que se sabe é que muito sangue ainda será derramado para que a Pátria amanda, idolatrada, salve, salve, aceite os filhos de sua terra como eles são. #Opinião #Comportamento