Ontem, segunda-feira, 2, as redes de notícias amanheceram comentando um suposto caso de racismo contra uma atriz global. Os comentários maldosos foram feitos há alguns dias, em uma foto do perfil de Taís no Facebook, publicada desde o começo de outubro.

A palavra racismo tomou conta das colunas dos #Famosos, mas, na verdade, a celebridade não sofreu racismo nem de longe. O que aconteceu foi injúria racial, que se consuma quando alguém decide injuriar alguém em razão de determinadas características previstas em lei, como, por exemplo, raça, cor ou religião. O racismo já é quando alguém é impedido de ter acesso aos seus direitos em virtude das mesmas características da injúria racial.

Publicidade
Publicidade

Logo, muito se fala em racismo, mas no âmbito legal, ele não acontece com frequência nem no Brasil, tão pouco na maioria dos países ocidentais.

A injúria racial é #Crime de menor potencial ofensivo e, embora tenha pena de reclusão na sua tipificação, em 99,9% dos casos, o crime não se converte em pena restritiva de liberdade; mas isso não impede que a atriz pleiteie uma ação indenizatória em outra esfera, que pode resultar em êxito final ou não, em virtude da condição econômica do processado, mas isso é algo que cabe ao juiz analisar e definir em um eventual processo.

Vale ressaltar que, se as ofensas partiram de perfis fakes, será uma tarefa difícil provar a autoria de alguém, principalmente se os autores (ou o autor) tiverem conhecimento sobre criptografia e demais formas de segurança para internet.

Publicidade

Taís não se pronunciou sobre um possível processo, mas deixou claro que não pretende se abater com os comentários e que vai encaminhar uma denúncia a polícia federal. Vale ressaltar também, que quem for vítima de injúria racial deve constituir um advogado para oferecer a petição na justiça comum, não na polícia federal, que tem funções administrativas ou voltadas para crimes que ferem a União, como lavagem de dinheiro e corrupção.

Quem cuida das investigações, quando necessário, é a polícia civil, no mais, o assunto é resolvido por um juiz, seja do JECRIM ou Tribunal Especial Cível.

Alguns fãs manifestaram apoio a atriz, o problema é que alguns extrapolaram e pagaram injúria racial com mais injúria racial. Fãs e curiosos da rede mundial de computadores não gostaram de uma tag, supostamente feita por brancos, que dizia “SomosTodosTaisAraujo, que até a própria atriz utilizou em suas redes sociais para agradecer o carinho recebido.

Muita gente usou as redes sociais para criticar brancos, generalizando um erro cometido por um grupo ou até mesmo uma pessoa com vários perfis fakes

Segundo alguns colunistas dos famosos, os brasileiros estão prestes a dar adeus à novela "Chimbinha x Joelma" para acompanhar o desenrolar de "Racismo x Injúria". #Blasting News Brasil