Minas Gerais no dia 05 de novembro viveu uma das piores tragédias já vistas. Na cidade de Mariana, duas barragens da mineradora Samarco se romperam e fizeram um dos maiores desastres ambientais do Estado. Nelas haviam lama, rejeitos sólidos e água que são resultado da mineração.

Pelo menos 128 residências foram atingidas pela onda de lama e dejetos. O número de mortos é de 06 pessoas e o de desaparecidos já são 26, também já se somam quase 600 desabrigados, que estão alojados em hotéis da cidade. Os detritos que as barragens tinham tomaram conta do rio Gualaxo e chegaram ao município de Barra Longa, a 60 km de Mariana.

Seis distritos de Mariana, além de Bento Rodrigues, foram atingidos pela lama que desce pelo rio Doce.

Publicidade
Publicidade

Ela atingirá, no total, uma área de cerca de 10 mil quilômetros quadrados no litoral capixaba.

Segundo informações do Ministério Público de Minas Gerais, será aberto um inquérito para apurar as causas e responsabilidades. A Samarco disse ter registrado dois pequenos tremores na área duas horas antes do rompimento, por volta das 16h20 de quinta-feira. Não se sabe o que teria causado esses tremores, se seriam abalos sísmicos ou a força do próprio rompimento. O Ibama vai multar a Samarco em R$ 100 milhões.

Entretanto, o Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo, que registrou uma série de tremores na região de magnitude pequena entre 2.0 a 2.6 pontos na escala Richter, disse que não é possível afirmar se eles provocaram o rompimento das barragens. A pergunta que se faz agora é se essa multa realmente é reparatória para todos esses danos causados.

Publicidade

“E agora José?”.

Infelizmente, as famílias estão desoladas e não sabem como isso aconteceu. Também não sabem o que irão fazer para reconstruir aquilo que foi construído com tanto esforço, sentimento que se espalha pela região, mas, como se sabe, o povo mineiro é guerreiro e saberá contornar esta situação.

Ataques na França

Com relação aos ataques terroristas ocorridos na França, nesta última sexta-feira (13), era noite, quando os ataques começaram em diversos pontos da capital, Paris, o que já somatizou uma conta com 129 mortes, 352 feridos e 99 em estado grave.

Mais uma vez, o Estado Islâmico reivindicou os ataques, e as questões que ficam são: Até quando continuarão fazendo esses tipos de barbárie sem punição? Será que há interesses envolvidos?

São dois acontecimentos distintos, em Mariana e em Paris, mas com sentimentos de tristezas iguais. #Opinião #Europa #Ataque