Com capacidade para oito mil pessoas, a casa de espetáculos Espaço das Américas registrou mais um recorde de público no último sábado dia 07/11, com os ingressos esgotados dias antes da apresentação. A casa atingiu a lotação máxima com o show da Banda Legião Urbana, que segue em turnê pelo país com o espetáculo "Legião Urbana XXX anos", em comemoração aos 30 anos do lançamento do primeiro álbum da banda, em 2 de janeiro de 1985.

A apresentação em São Paulo reuniu diversos músicos e vocalistas como Rodrigo Amarante e Marcelo Fratesch, entre outros convidados especiais que interpretaram músicas que no passado foram cantadas pela voz de seu mais emblemático membro, Renato Russo.

Publicidade
Publicidade

Após quinze anos de briga na justiça contra a família de Renato Russo (ex-integrante líder da banda, morto em 1996), Dado Villa Lobos e Marcelo Bonfá tiveram o parecer favorável da #Justiça brasileira para a obtenção dos direitos autorais e uso da marca Legião Urbana e para seguirem com o nome da Banda Legião, sem restrições para shows e lançamento de discos, entre outras atividades comerciais.

A turnê conta ainda com a participação de cantores novos, convidados por meio de um concurso de talentos promovido pela banda. Dado Villa Lobos, em entrevista ao Fantástico exibida em 06/09/2015, disse que "ninguém iria substituir Renato Russo " - decisão mais que assertiva, pois certamente isso não agradaria a legião de fãs de Renato Russo podendo causar até a " morte definitiva"  da Banda.

O fato é que os legionários estão bastante divididos e não é sem motivo.

Publicidade

Após o grande espetáculo de luzes e sons e pouquíssima ou quase nenhuma referência à lembrança "in memorian" do fundador da banda, Renato Russo, pairou um certo vazio em meio ao show, a plateia por inúmeras vezes gritou freneticamente pelo nome de Renato em coro contínuo, mas ainda assim não houve nenhum manifesto significativo por parte dos remanescentes da banda. Para não passar batido pela aclamação do público, Dado Villa Lobos lançou um " ele está entre nós " e segue o show.

Ao final da apresentação uma certa nostalgia abate parte do público presente, fora feita merecida homenagem a Rubens Paiva, engenheiro militante esquerdista na época da ditadura. Por quê não se falou nada a respeito de Renato Russo? Será que houve alguma espécie de restrição judicial ou da família de Renato? 

Renato Russo parece mesmo ser insubstituível, até quando "fãs-naticos"  ( licença poética) de Renato se agradarão em ver e ouvir outros intérpretes invadindo um espaço que era só seu? Sucessos que Renato Russo em sua forma única imortalizou desde o dia em que sua voz para sempre se calou, naquele 11 de janeiro de 1996.

"Será" que a banda se sustenta sem Renato? Ou toda essa batalha foi "Tempo Perdido"?

Afinal  " somos tão jovens" para saber. #Música #Opinião