“Se queres a paz, prepara-te para a guerra”, diz um antigo ditado romano. A intensificação das ações do #Terrorismo, os atentados em Paris (13/11), o tênue jogo de poder entre as potências ocidentais e a Rússia, acrescidas pela derrubada dos caças Sukhoi Su-24 pelos turcos (24/11), têm trazido preocupação com as condições de defesa dos Estados

Guerra Assimétrica

A preocupação das grandes potências mundiais é, essencialmente, como enfrentar um inimigo que não tem lideranças e posições claras. Assim, a primeira preocupação das forças armadas é como lidar e adequar-se ao inimigo surpreendente. A própria noção de “terrorismo”, aliás, é significativa aqui: a primeira arma desses grupos não está posta em baterias de mísseis, mas sim, no medo irracional que infundem nas pessoas.

Publicidade
Publicidade

A indústria armamentista ainda não foi capaz de rivalizar-se com essa tecnologia ancestral.

Estratégia nacional e obsolescência das forças armadas brasileiras

O Brasil adotou, desde o ano de 2012, uma nova estratégia de Defesa Nacional. O plano pretende, a partir da flexibilização de recursos, o incentivos à pesquisa e à indústria nacional. O plano assegura ainda: “a prevenção de atos terroristas e de atentados massivos aos Direitos Humanos, bem como a condução de operações contraterrorismo, a cargo dos ministérios da Defesa e da Justiça, e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSIPR)”.

A renovação dos recursos brasileiros começou com a inclusão dos novos veículos de combate 'Guaranis' e do novo fuzil padrão do exército – o IA2 5.56mm. No entanto, o caminho ainda é bastante longo para o Brasil, quer pela formação de quadros pessoais, quer pela crise econômica, que assola o país, sobretudo, desde o início deste ano, quer pelas inúmeras preocupações do governo federal, já em vista das Olimpíadas de 2016, a serem realizadas na cidade do Rio de Janeiro.

Publicidade

Como precaver-se diante de situações novas, se mesmo as forças tradicionais, como dizem os críticos, “mal tem munição para uma hora de combate”? #Opinião #Violência