O segredo do sucesso é o foco no objetivo. Essa frase representa bem o que acontece nessa pequena cidade-estado no lado mais norte da Ásia. Uma colônia esquecida e abandonada pela Malásia nos anos 60. Hoje, o país figura entre os melhores do mundo em vários quesitos: educação, segurança, transporte e #Negócios.

Um projeto ousado do já falecido primeiro ministro e idealizador Tony Tan Keng Yam. O objetivo: transformar o país num dos maiores portos de entrada do mundo. É isso mesmo! Tornar o país a porta de entrada da Ásia.

Com regras rígidas e a emancipação da Malásia, o governo geriu recursos que otimizaram a prestação de serviço do estado para com o cidadão.

Publicidade
Publicidade

As favelas deram lugar aos prédios públicos, a educação é oferecida gratuitamente, o transporte público tornou-se impecável, subsídios saborosos foram concedidos à multinacionais, a língua inglesa foi adotada como oficial, o país tornou-se laico de verdade (todos os feriados religiosos são oficiais, independente da crença) ou seja, eles têm tantos feriados como nós, acredite!

Os asiáticos, em sua maioria, procuram sempre a quem seguir, uma referência, uma orientação. É isso que o estado é para eles, um mestre que ensina. Por isso a figura do primeiro ministro se fez tão presente no país, ele é “o cara”. Suas promessas são cumpridas, suas obras são realizadas, o resultado é percebido a toda hora. O que se paga por isso? Impostos. Opa! Mas isso nós pagamos aqui também, por sinal bem pesados e para manter uma estrutura de matar de vergonha qualquer um que saiba somar 2+2.

Publicidade

Com milhões de admiradores Tony Tan conseguiu um modelo antagônico de administração, o autoritarismo cooperativo. Talvez um modelo novo, único, onde o cidadão tem tudo e aceita levar umas chibatas no lombo se fizer alguma coisa errada. Acho que isso é o estado para eles, o mestre. Estado: - eu te dou tudo e você me apronta isso? Toma chibatada e que isso não se repita. Cidadão: - Desculpe, nunca mais farei de novo. Obrigado por me ensinar.

As chibatadas em questão é o famoso “kenny”, sistema de punição de crimes menores no país. Algum juiz decide se você merece alguns “kennys” ou até mesmo ser destinado a pena de morte. Uma forma de deixar o sistema alerta e um aviso aos instrusos, digo, turistas. Também serve para a vizinhança da cidade do leão, países de extrema miséria e corrupção. Isso podia até virar letra de música, mas aqui a coisa é séria, temos regras duras e não podemos expressar o pensamento imaginário; o mestre falou.

Singapura é sem dúvida um país modelo. É como um carro que acabou de sair da fábrica, com cheiro de novo, sem nenhum arranhão, brilhando, com motor potente, sem limites de velocidade, a prova de balas. Um carro que todo mundo gostaria de pilotar, mas se na hora de ligar a chave não funcionar não pense em reclamar com o mestre, ops, com o fabricante. #Turismo #Curiosidades