A riqueza acumulada por 1% da população mundial mais rica, superou a dos 99% restantes, de acordo com um estudo realizado pela ONG (Organização Não Governamental) Oxfam.

A pesquisa da ONG revela que a maior parte da riqueza do mundo está nas mãos do 1% mais rico, o aumento foi de 44% em 2009 para 48% no ano passado. Com as tendências atuais, a Oxfam diz que espera que esse 1% mais rico, venha possuir mais de 50% da riqueza do mundo até 2016.

A pesquisa coincide com o início do Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suiça). O encontro anual atrai líderes políticos e empresariais do topo e de todo o mundo.

Winnie Byanyima, Diretora executiva da Oxfam que co-presidirá o evento em Davos, disse que iria usar papel de alto perfil da instituição para o fórum exigir uma ação urgente para reduzir o fosso entre ricos e pobres.                                                                                        

Em um comunicado à frente do encontro, Byanyima disse que a escala de desigualdade global foi "simplesmente impressionante".

Publicidade
Publicidade

"Devemos abordar os governos, as empresas e as elites econômicas presentes em Davos a empenharem-se para acabar com esta era de paraísos fiscais, que alimenta as desigualdades globais", acrescentou.

Oxfam fez manchetes em Davos no ano passado com a revelação de que as 85 pessoas mais ricas do planeta tem a mesma riqueza que os 50% mais pobres (3,5 mil milhões de pessoas).Oxfam baseou a sua previsão em dados do Credit Suisse Global Wealth datebook, que dá a distribuição da riqueza global. Ele usa o valor de ativos financeiros e não financeiros de um indivíduo, principalmente propriedades e terras, menos as suas dívidas para determinar o que as pessoas possuem. Os dados excluem os salários e/ou rendimentos.

Há todos os tipos de razões pelas quais tais aumentos na desigualdade são preocupantes, e não apenas para aqueles na base da pirâmide de renda e riqueza.

Publicidade

Uma delas é que as pessoas inspiradoras sobre os rendimentos mais baixos têm incentivos enormes para assumir demasiado dívidas de nível elevado para sustentar seus padrões de vida, o que agrava a tendência da economia, disse Robert Peston em análise para a BBC. #Crise #Crise econômica