O aumento do stress no caótico trânsito das grandes cidades não faz mais parta da vida de muitos profissionais, graças a nova modalidade de trabalho denominada " Home Office " ( escritório em casa ) e que ganha a cada dia mais adeptos, sempre de comum acordo entre as empresas e seus profissionais que ganham principalmente mais tempo hábil para conviver com a família e para cuidar da vida pessoal.

As vantagens para quem adota essa opção de trabalho não param na óbvia redução de custos e ganha mais simpatia quando se trata de inclusão social de pessoas com dificuldade de locomoção, redução dos custos de infraestrutura e a maior convivência com a família.

Publicidade
Publicidade

Estudos da Fundação Getúlio Vargas estima que o tempo de ida ao trabalho de um trabalhador em São Paulo pode chegar a 46 minutos, no Rio de Janeiro a 52 e que o tempo de viagem aumenta significativamente em relação inversa a renda do trabalhador. Outro dado importante da pesquisa associa  um aumento de seis minutos nessa jornada a cada 10 mil veículos novos nas ruas das grandes cidades.

Segundo Roni Wajnberg, diretor da empresa OI de telefonia, todos os setores da empresa podem ser acessados pelos funcionários de suas casas, graças às ferramentas de segurança que são instaladas e a produtividade pode ser aferida através das conferências com os superiores e através de programas que controlam o que o colaborador está fazendo.

Mas as vantagens não param por ai, relata Roni que calcula um aumento médio de produtividade em cerca de 30% e esclarece que o sistema pode ser utilizado para qualquer setor da empresa, principalmente na área administrativa e que a empresa aplica um rigoroso controle da jornada de trabalho gravando nos servidores da empresa todas as informações relativas ao processo.

Publicidade

Sempre é bom frisar que o Home Office não significa ficar por todo o dia de pijamas em frente ao computador, com a televisão ligada e atenção dispersa e é muito importante a organização de um espeço próprio para o trabalho dentro de casa, relata Mirian Kimura, gerente de recrutamento da empresa DELL. #Desemprego #Finança #Crise econômica